Vacinas dos profissionais da segurança pública: Entidades ajuízam ação

Como entidades, que representam todos os níveis da Brigada Militar gaúcha, estão reivindicado a vacinação dos policiais contra o Coronavírus.

As instituições declararam: “A vulnerabilidade dos militares estaduais ante à pandemia é extremamente preocupante, especialmente porque estes profissionais têm o dever de lidar diretamente com uma população gaúcha. O Governo do Estado do Rio Grande do Sul foi omisso ao não adotar medidas concretas de imunização dos profissionais da Segurança Pública, colocando em risco não só a vida que se dedica diuturnamente pela sociedade, mas também da própria população, vez que afeta um dos serviços mais essenciais do Estado: a Segurança Pública ”.

Diante deste cenário, como Entidades representativas da Brigada Militar e do Corpo de Bombeiros Militar ingressaram, conjuntamente, com a Ação Coletiva nº 5027979 – 52. 2021. 8 . 21. 0001, em trâmite no 2º Juízo da 10 ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central da Comarca de Porto Alegre, distribuída à Magistrada, Dra. Nadja Mara Zanella, requerendo uma jurisdição tutela para que o Estado do Rio Grande do Sul proceda à inclusão dos policiais militares e bombeiros militares da ativa no grupo mais prioritário, qual seja o Grupo 1 (um), do Plano Estadual de Vacinação contra a COVID – 19, e que inicie, com urgência, a vacinação desta classe, sob pena de aplicação de multa diária, em valor a ser arbitrado por este nobre Juízo, não inferior a 10 (dez) salários-nomeados, nos termos do Código de Processo Civil.

“A ASOFBM, a ABAMF e a ASSTBM, estão unidas em favor do Povo Gaúcho, seguindo na luta pela garantia dos direitos e prerrogativas daqueles que entregam suas vidas em prol da Sociedade, ao passo que que o Poder Judiciário do Estado, com justiça, cesse a omissão do Governo Estadual ”, finalizou o movimento.