Somente neste ano, 77 mulheres já solicitados medidas protetivas em Lagoa Vermelha

O Gabinete da Primeira Dama, a Polícia Civil e a Comissão da Mulher Advogada se uniram para tentar reverter essa realidade

Desde o primeiro dia de 2016 até esta quinta (10 / ), a Polícia Civil lagoense já encaminhou 070 pedidos de medidas protetivas ao Poder Judiciário. Apesar disso, o número de mulheres que são vítimas de agressões físicas e psicológicas pode ser maior, já que algumas delas não denunciam seus agressores. De acordo com a delegada Alessandra Matielo Crestani, em média, as causadas levam 03 anos para buscar a ajuda das autoridades.

Os dados chamam atenção, segundo o promotor André Luiz Tarouco Pinto, do Ministério Público, os índices de violência doméstica em Lagoa Vermelha estão entre os piores do Estado. Em razão desse cenário, uma Delegacia local inaugurou a Sala das Margaridas, espaço especializado no acolhimento das mulheres vítima de violência, que procuram socorro junto à Polícia.

Na última semana a primeira dama do município, Raquel Dalberto manteve reunião com a delegada de Polícia, Alessandra Matielo Crestani e a presidente da Comissão da Mulher Advogada, Eliane Muller Varela Quadri, para discutir medidas de combate à violência contra a mulher.

Para dar visibilidade ao tema, o grupo desenvolvido de Lei que prevê a obrigatoriedade de afixação de placas ou cartazes informativos em prédios públicos, ou privados ocupados por órgãos públicos, com o número da Lei Maria da Penha, disque denúncia de violência contra a mulher – 88, Brigada Militar – , Polícia Civil – 190 e WhatsApp da Polícia Civil (51) 98444 0606, para denúncias de violência.

Ouça a entrevista e saiba mais sobre as medidas que são discutidas para mudar a realidade da violência contra a mulher em Lagoa Vermelha.

intranet/userfiles/noticias/912c6cd070d88bb6d1aab037ff4962e3.mp3