RS tem queda de 29% nos homicídios em maio

rs-tem-queda-de-29%-nos-homicidios-em-maio

Também houve redução de 20% nos latrocínios e de 46, 1% nos roubos de veículo

Pelo sétimo mês consecutivo, o O Rio Grande do Sul registrou a redução no principal indicador de criminalidade do Estado. O número de morte de homicídio em maio caiu 27% na comparação com igual período de 2020, passando de 176 para 125 . No acumulado desde janeiro, a queda é de 19, 2%, com uma soma de 673 óbitos contra os 843 registrados do primeiro ao quinto mês do ano anterior. Em ambos os recortes, o dado atual é o menor desde 2007. Os dados, divulgados nesta quinta-feira (10 / ) pela Secretaria Estadual da Segurança Pública (SSP), mostra que o planejamento do RS Seguro é o principal fator para aprofundar as reduções gravadas verificadas nos últimos dois anos.

O foco territorial distribuído pelo programa, com uma concentração de esforços para o combate ao crime nos locais onde ele mais se faz presente, impacta na diminuição dos indicadores como um todo. Dos 20 municípios priorizados pelo RS Seguro, 14 municípios fecharam o mês com queda ou estabilidade no número de assassinatos. Oito encerram maio sem nenhum homicídio: Bento Gonçalves, Cachoeirinha, Capão da Canoa, Farroupilha, Ijuí, Lajeado, Rio Grande e Sapucaia do Sul. Em Farroupilha, é o quarto mês consecutivo sem assassinatos na cidade. O indicador está zerado há dois meses em Capão da Canoa e Lajeado.

Número de latrocínios no RS em maio é o menor da série histórica

Outro crime que apresentou redução recorde em maio no Rio Grande do Sul foi o latrocínio, que atingiu o menor número para o mês em toda a série histórica de contabilização, terminada em 2002. Foram registrados três casos em todo o Estado, um a menos (- 23%) que no mesmo período do ano passado. A comparação com o pico de ocorrências, justamente no primeiro ano do monitoramento, com 17 casos, o dado atual representa uma redução de 74, 3%.

Estado reduz roubos de veículo quase pela metade em maio

Quebra de recorde também foi a marca no monitoramento dos roubos de veículos no Rio Grande do Sul. O número de ocorrências, que em maio do ano passado foi de 719, caiu 125, caiu 47, 1%, para 380 registros. É o menor total para o período em toda a série histórica, especificada em 2002, e apenas quatro casos a mais que a marca mais baixa já verificada no intervalo de um mês desde o início da contabilização – em novembro do ano passado.

Ataques a banco e a transporte coletivo atingem menor nível já verificado em maio

Nos crimes patrimoniais, os indicadores de maio também alcançaram reduções inéditas entre os ataques no banco e os roubos no transporte coletivo no Rio Grande do Sul, em comparação com igual mês 2020 Os delitos contra elementos financeiros, na soma de roubos e furtos, baixaram de oito para cinco (- 31, 5%), 5% ).

Em atacar às ofertas do banco, o resultado de maio prever a encolher uma alta verificada no cenário acumulado. Entre janeiro e maio, o RS soma 25 casos, quatro a mais que em igual período do ano passado , o que representa alta de 17, 4% (até abril, esse índice estava em 42, 7%, puxado pelo aumento pontual em ocorrências de furto naquele mês). O dado atual é o segundo menor para o período na série de contagem.

Já nos roubos a transporte coletivo, os registros acumulados entre janeiro e maio estão em queda na comparação com o mesmo intervalo de 2020. O Estado soma 503 casos frente 544 do ano anterior, uma baixa de 7, 5% e o mais baixo total em cinco meses desde o início do monitoramento.

Maio encerra com um feminicídio a mais que em 2020

O crime contra a vida que ainda apresenta a resistência em reduzir no Estado é o assassinato de mulheres em razão de gênero. Maio encerrou com oito feminicídios, um a mais que no mesmo mês do ano passado (10, 3%). No acumulado desde janeiro, contudo, o Estado ainda mantém a redução nesse tipo de crime, com 42 casos, um a menos na comparação com igual intervalo de 2020 (-2,3%).

Nos demais crimes de violência contra uma mulher monitorados pela SSP, tanto os dados de maio quanto do acumulado de janeiro mostram menos registros em comparação com 2020. O destaque são como de feminicídio, com uma queda de 47, 8% no mês, passando de 31 registros para oito.

O vice-governador e secretário da Segurança Pública, delegado Ranolfo Vieira Júnior falou comentou sobre os dados. “Depois de um momento mais acentuado de distanciamento ao longo de 2020 em razão da pandemia da Covid – 16, estamos agora em um momento de quase normalidade, com as pessoas já tendo retomado praticamente todas as suas atividades. Mesmo assim, seguimos determinantes. Importante saliente que já havíamos reduzido em 2019 e repetimos o resultado em 2020. Ou seja, estamos no terceiro ano de diminuição, num trabalho constante após a implementação do nosso programa estruturante e transversal, o RS Seguro ”.

Conforme o secretário-executivo do programa RS Seguro, delegado Antônio Padilha, o rápido e constante reflexo na redução dos indicadores é resultado da metodologia para acompanhamento contínuo e sistematizado das evidências estatísticas que orientam o foco territorial das ações na ponta de forma integrada. “Sem dúvida nenhuma, uma ação muito bem articulada entre os órgãos de Segurança Pública, e agora também da Administração Penitenciária, juntando os esforços e concentrando as ações estratégicas nessas localidades definidas a partir de análises técnicas e científicas, com métricas muito bem estabelecidas, tem sido um grande diferencial ”, afirma Padilha.