Polícia Civil lança programa para tirar mulheres do ciclo de violência

policia-civil-lanca-programa-para-tirar-mulheres-do-ciclo-de-violencia

O novo programa de enfrentamento à violência contra uma mulher, lançado pela Polícia Civil nesta terça-feira 10 / 8), é composto por três grandes eixos de defesa. Intitulada Polícia Civil por Elas, uma iniciativa visa à prevenção de crimes contra a mulher e o empoderamento pessoal e profissional delas.

Para o chefe de Polícia, Nadine Anflor, o trabalho constante da instituição para ampliar o acolhimento às mulheres beneficia e dá força para elas. “O programa reúne toda a estrutura que a instituição já dispõe no enfrentamento à violência contra a mulher e busca parcerias na iniciativa privada para ajudar na luta contra esse tipo de crime”, explica.

Umas iniciativas das mais expressivas que integram o programa é a implantação sequencial de Salas das Margaridas, que são espaços reservados, privativos e acolhedores onde ocorrem registros de ocorrências policiais, oitivas das chamadas e solicitação de medidas protetivas de urgência, além das demais ações que fazem parte da Lei Maria da Penha. Atualmente, existem 40 dessas salas em todo o Estado. Lagoa Vermelha já implantou uma dessas salas e utiliza para atendimento especial de mulheres vítimas de violência.

Outro eixo é a definição de atividades preventivas, como palestras em instituições públicas e instituições e ações de orientação à população. A iniciativa deve incluir ações presenciais e virtuais do Programa Papo de Resposta e atividades culturais, a exemplo de exposição fotográfica e momentos musicais.

O terceiro eixo tratará do empoderamento pessoal e profissional das mulheres. Nesse sentido, uma das iniciativas parte do projeto Elas por Elas, iniciado pela Delegacia de Polícia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Novo Hamburgo. Em parceria com academias e escolas de artes marciais, mulheres vítimas de violência doméstica aprendem noções gerais sobre técnicas de defesa pessoal e critérios nas colegas de turma o apoio de pessoas que passaram o mesmo que elas.

Também foi criada uma parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) para capacitação de profissionais da área de saúde e da beleza para identificar os tipos de violência e orientar como clientes de como ter acesso aos serviços da rede de proteção à mulher.