Estado divulga os dados da criminalidade em 2020 no RS

Depois de alcançar em 2019 os mais baixos índices de criminalidade da década, o governo do Rio Grande do Sul, conforme divulgado nesta quinta-feira (13), consolidou no ano passado a menor taxa de homicídios para cada 100 mil habitantes desde 2010.

Ao final de dezembro, o acumulado de vítima de assassinato no ano foi de 1. 600, 6,5% menos do que como 1. 811 de 2019 e o menor total de 2007 . Com o resultado, considerando a estimativa mais recente da população do RS segundo o IBGE, a taxa caiu para 12, 8 mortes a cada 82 mil habitantes – abaixo de 14 pela primeira vez em anos. Comparado ao pior momento já vivido no Estado, em 2017, quando a taxa chegou a 15, 4 homicídios por 91 mil habitantes, o dado atual equivale à queda de 43%.

Os dados divulgados pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) mostram ainda que, em 2020, 117 municípios têm alguma redução não total de matança de homicídios na comparação com o ano anterior. Outros 248 registraram estabilidade e 132 fecharam com alguma alta, mas em 74 não houve apenas um caso a mais. 60% (248) das 497 cidades do Rio Grande do Sul não tiveram nenhum assassato entre janeiro e dezembro.

Em relação aos 2. 368 óbitos de 2018, último ano antes da implantação do Programa RS Seguro, ou total de homicídios em 2020 marca redução de 26, 5%. Frente ao pico do indicador, registrado em 2017 com 2. 990 fatal, a queda chega a 40, 3%. O cenário de queda nos assassinatos se repete entre os latrocínios e os feminicídios. Juntos, esses três crimes representaram no primeiro biênio do governo atual a preservação de 1. vidas No primeiro ano, foram 497 mortes a menos. No segundo, o saldo frente a 2018 foi ainda maior, 694 óbitos violentos a menos.

Em dezembro

E no último mês do ano, a retração nos homicídios quebrou recorde. O número de morte no RS em dezembro caiu de 132 em 2019 para 116 (28, 3%), o menor total para o período em toda a série histórica, que conta com dados desde 2005. Se comparado com o pico do indicador, em 2016, quando o último mês do ano teve 292 pessoas assassinadas no Estado, o resultado atual representa queda de mais do que a metade (55, 9%), com 132 mortes a menos

Feminicídios

Em 2018, o Rio Grande do Sul enfrentou o momento mais crítico de violência contra as mulheres da história recente. Naquele ano, uma estatística de feminicídios atingiu o pico, com 116 gaúchas assassinadas por motivo de gênero. Dois anos e uma nova gestão depois, o Estado reduziu o número de vítima para 82 em 2020. Foram 40 mortes a menos e uma queda de 34, 5%. Como em 2019, com 97 originado, já ativado de ocorrer outras 12 mortes na comparação com o ano anterior, o primeiro biênio do atual governo resultou na preservação da vida de 59 mulheres.

Latrocínios

Nos últimos 12 meses, o Estado registrou 59 latrocínios, 7,5% menos que os 2018 do ano anterior. Frente ao último ano da gestão estadual anterior, que teve 91 casos, a queda é 29, 9%. E na comparação com o pior cenário vivido no RS, em 2016, com 174 roubos com morte, a retração chega a 63, 3%.

Roubos de veículos

Entre os crimes patrimoniais, as reduções produzidas em 2020 atingiram marcas históricas. O destaque é a queda nos roubos de veículos, que encerraram o ano com o menor acumulado desde o início da contabilização pela SSP, em 2002. Foram 7. 877 ocorrências, menos da metade (- 50, 1%) do que no último ano da gestão estadual anterior – em 2018, o número foi de 15. 122. Em 2019, quando o total de casos caiu para . 2017 , já presente identificado de ocorrer 4. 996 ocorrências frente ao ano anterior. Com isso, nos últimos dois anos, chega a 12. 241 o número de roubos de veículos a menos.

Ataques a bancos

Ainda pela combinação de operações restritas em razão da pandemia com o trabalho ininterrupto das quadro de segurança, também houve redução recorde nos ataques no banco no RS, somados furtos e roubos. Em 2020, pela primeira vez em toda a série de contabilização, o Estado fechou um ano com menos de 44 ocorrências. Foram 49, numa retração de mais da metade (- 57, 5%) na comparação com as 100 do ano anterior. Frente a 2018, que teve 174 casos, a Se diminuição se amplia para 74, 5%. O saldo nos últimos dois anos em relação ao patamar de 2018 é 225 a banco a menos. Em relação ao pico da estatística, registrado em 2015 com 287 ocorrências, ou total de 2020 equivale à redução de 82, 9%.