Saúde esclarece dúvidas sobre atendimento a pacientes com sintomas respiratórios

Atendimento segue protocolo do Ministério da Saúde

Após relatos compartilhados por pessoas com sintomas respiratórios que recorreram ao atendimento na rede de saúde pública, a secretaria de Saúde de Marau procurou a reportagem da Tua Rádio Alvorada para esclarecimentos. Conforme explica Fernanda Garbin, enfermeira da Secretaria de Saúde e integrante do COE – Centro de Operações Emergenciais Covid-19 Marau, o atendimento na rede pública segue padrão protocolar do Ministério da Saúde. A Covid-19, diz a enfermeira, é causada por vírus de circulação comunitária e desde o início da pandemia, quem apresenta sintomas de síndrome gripal é tratado como caso positivo em situação clínica epidemiológica.

A conduta, explica Fernanda, para todo paciente, com ou sem febre, será afastá-lo para isolamento domiciliar durante 14 dias, assim como todos os que residem no domicílio. Diante quaisquer sinais de agravamento, a pessoa recebe suporte de atendimento mais avançado. “Em casos em que a febre retorna após o sétimo dia de sintomas, por exemplo, pode mostrar que há evolução para um quadro pulmonar mais graves e, nestas condições, devem retornam para uma segunda avaliação”, ressalta Fernanda. A enfermeira destaca, ainda, que a aplicação do teste rápido só é feita, conforme protocolo do Ministério da Saúde, após o 10º dia de sintomas. O PCR, o Ministério só oferece para profissionais da saúde e segurança pública e pacientes hospitalizados entre o terceiro e o quinto dia de sintomas.

Para os sintomáticos, a orientação da Saúde é pelo contato inicial através do número 156 para orientações e agendamento de consulta. São sintomas mais recorrentes, tosse, dor no corpo, febre, dor de garganta, coriza e outros indicativos de que a pessoa possa estar com qualquer tipo de gripe.

A entrevista na íntegra você acompanha no layer de áudio ou na página da Tua Rádio Alvorada no Facebook.

Link para notícia no site Tua Rádio