RS declara emergência em saúde pública devido à circulação do vírus da febre amarela

A secretária da Saúde, Arita Bergmann, assinou, durante reunião virtual realizada nesta quarta-feira (26 / 4), a Portaria 341 / 2021, que declara Emergência em Saúde Pública de Importância Estadual (Espie) no Rio Grande do Sul em decorrência da confirmada circulação do vírus da febre amarela.

Durante a reunião, foi anunciada a criação do Centro de Operações em Emergência (COE) de Arboviroses, com uma participação de representantes da Federação das Associações dos Municípios do Rio Grande do Sul e do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems). Também houve a divulgação de um manual com orientações sobre as arboviroses (doenças transmitidas por mosquitos infectados, como febre amarela, dengue, chikungunya e vírus zika). O manual de orientações está disponível no site da Secretaria da Saúde (SES).

O último Informativo Epidemiológico de arboviroses, referente ao período de 18 a 2020 de abril, apresenta 18 municípios com circulação do vírus confirmada. Este grupo, considerado área vermelha, é formado por municípios onde foram encontrados primatas mortos, contaminados por mosquitos de áreas silvestres que transmitem o vírus da doença. Outros 72 municípios, situados no entorno, são considerados de área amarela, com riscos de também virem a ter circulação do vírus. Até agora, uma doença não foi detectada em humanos.

O Informativo Epidemiológico de arboviroses também registra 3. casos confirmados de dengue no Estado, sendo 2. 923 casos autóctones e cinco óbitos, sendo dois em Santa Cruz, dois em Erechim e um em Bom Retiro do Sul. Só de chikungunya constam 878 acasos em São Nicolau. Ijuí e Bento Gonçalves registram um caso cada.

Febre amarela é uma doença infecciosa com febre aguda, silvestre ou urbana. O vírus é transmitido por mosquitos infectados e não há transmissão direta de pessoa a pessoa. Os casos que ocorrem no Brasil são silvestres, quando o vírus é transmitido por mosquitos que vivem em áreas de mata. Desde 1942, não existem casos de febre amarela urbana, transmitida pelo Aedes aegypti. Em área de matas, a morte de primatas não humanos (epizootias) serve de sentinela da chegada do vírus a determinada região.

O Rio Grande do Sul não registrava a presença do vírus causador da febre amarela desde 2009. Em janeiro de 2021, foi confirmado o caso de um bugio morto no município de Pinhal da Serra, na Região Serrana, próximo à divisa com Santa Catarina.

No período de julho de 2020 a 24 de abril de 2021, o Registro do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS) 266 casos de macacos mortos. Para enfrentar a disseminação da febre amarela, o especialista afirma que “precisamos vacinar uma população, investigar presença de primatas mortas e também proteger os primatas, por não serem responsáveis ​​pela transmissão dos vírus aos humanos”.

Prevenção e imunização

A chefe da divisão de Vigilância Epidemiológica, Tani Ranieri, saliente que “a estratégia de vacinação deve ser intensificada imediatamente para elevar como coberturas em áreas vermelhas e amarelas, principalmente pessoas residentes em áreas rurais, silvestres e periurbanas, onde como atividades rurais e urbanas se misturam “.

A vacina contra a febre amarela faz parte do calendário do Programa Nacional de Imunizações (PNI) e pode ser encontrada nas Unidades de Saúde da Atenção Primária.

Para a prevenção, Tani ressaltou que é preciso também capacitar a rede de atendimento para a sensibilização sobre as características específicas das arboviroses e possibilitar o tratamento precoce.

) Tani explicou que o calendário vacinal prevê uma primeira dose aos nove meses e um reforço aos quatro anos. A partir dos cinco até os 59 anos, a vacina é dose única. Desde 2018, todo o território do Rio Grande do Sul é considerado área de vacinação contra a febre amarela.

Participaram da reunião virtual dos representantes da Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura, do Cosems, da Famurs, secretários municipais de Saúde, prefeitos, diretores e técnicos da SES.