Região de Passo Fundo segue com restrições de Bandeira Vermelha

Lagoa Vermelha ficará por 14 dias com restições

O Governo do Estado divulgou o mapa de distanciamento controlado onde Passo Fundo aparece mais uma vez na bandeira vermelha. Esta é a segunda semana consecutiva que a cidade é classificada como alto risco à contaminação do coronavírus. A divulgação aconteceu na tarde desta sexta-feira.

Os municípios pertencentes à bandeira vermelha tem até a manhã de domingo (05) para contestar a decisão do Governo e tentar reverter a situação. Caso o quadro não se reverta, Passo Fundo precisará ficar 14 dias, a partir da próxima terça-feira (07), seguindo as mesmas restrições desta semana, onde comércio e diversos serviços precisaram paralisar os trabalhos.

Passo Fundo conseguiu baixar o número de internados em leitos de UTI. Atualmente são 33 pessoas internadas, em um total de 53 leitos. A região registra 67% de ocupação em UTIs. Além disso o município registrou nesta última semana 290 casos positivos a mais em relação a semana passada. Foram 237 pessoas consideradas curadas no mesmo período.

Mesmo com os números melhores, o Governo do Estado entendeu que a cidade e a região de Passo Fundo seguem sendo de alto risco para a doença.

Leia o que o Governo do Estado diz sobre a região de Passo Fundo: 

A macrorregião norte manteve a situação de piora nos indicadores que vinha sinalizando desde a última semana. Com o agravamento da Capacidade de Atendimento no Estado, que avalia o quantitativo de leitos de UTI livres sobre leitos de UTI ocupados por pacientes Covid-19, dos indicadores de internados em leitos clínicos e UTI por Covid-19 e da Capacidade de Atendimento na macrorregião, as regiões de Palmeira das Missões, Erechim e Passo Fundo obtiveram bandeira final vermelha.

Na última rodada de avaliação, as três regiões já haviam obtido situação de bandeira vermelha. Entretanto, após as análises de recursos, o Gabinete de Crise reverteu a situação de bandeira vermelha para as regiões de Erechim e de Palmeira das Missões, pois a média ponderada estava muito próxima do ponto de corte que define entre bandeiras laranja ou vermelha e os indicadores não apontavam ainda para situações de risco mais elevado.

Com relação as variáveis mensuradas para os indicadores de propagação da doença e da capacidade de atendimento, verifica-se a deterioração na região. As hospitalizações e as ocupações de leitos clínicos e de UTI para confirmados Covid-19 seguem aumentando.

O número de hospitalizações confirmadas para Covid-19, registradas nos últimos sete dias, passou de 76 para 112 entre as duas semanas, crescimento de 47,4%. Para os internados em leitos clínicos e internados em UTI, confirmados para Covid-19, os aumentos foram de 29% e 22%, respectivamente (de 59 para 76 e de 36 para 44). No caso de internados por SRAG em UTI, ocorreu uma redução no quantitativo, variando de 60 para 59.

Nas três regiões Covid-19 da macrorregião Norte, o aumento das hospitalizações afetou diretamente os indicadores de Estágio da Evolução na Região e de Incidência de Novos Casos Sobre a População. As três regiões obtiveram bandeira preta nos dois indicadores de Incidência.

O indicador relacionado à capacidade do sistema de saúde apresentou uma melhora. Enquanto na semana passada havia 1,78 leito de UTI livres para cada leito de UTI ocupado por paciente Covid-19, nesta semana o indicador passou para 2,09, mesmo que a bandeira do indicador tenha se mantido a mesma entre as duas semanas – vermelha. Também favorável, a mudança da capacidade de atendimento teve redução no indicador, com a bandeira alterada de laranja para amarela. No comparativo do número de leitos livres de UTI no último dia para atender Covid-19 entre as duas quintas-feiras, verificou-se o aumento dos leitos livres, passando de 64 para 92.

 

Link para notícia no site Tua Rádio