Lote de kit intubação distribuído pelo Governo do Estado nesta semana é insuficiente para o Hospital Virvi Ramos

lote-de-kit-intubacao-distribuido-pelo-governo-do-estado-nesta-semana-e-insuficiente-para-o-hospital-virvi-ramos

Mesmo com doações, Governo do Estado alega que a responsabilidade dos medicamentos é das instituições hospitalares

Duas instituições de saúde de Caxias do Sul receberam o kit intubação distribuído pelo Governo do Estado nesta semana. Uma delas é o Hospital Virvi Ramos, que teve acesso a 50 medicamentos utilizados para pacientes em estado grave nas UTIs Covid – 19. Os remédios são sedativos e bloqueadores neuromusculares. O 3º Grupamento Logístico do Exército realiza a distribuição dos itens.

Para Tua Rádio São Francisco, a diretora executiva do Virvi Ramos, Cleciane Doncatto Simsen, afirma que a remessa é insuficiente para o atendimento. Desde março ano, o número de internados em UTI não diminuiu no local, ocasionando na média de uso de 12 a 15 mil medicamentos medicamentos por mês. A quantidade de utilização depende do perfil do paciente. Como unidades fornecidas pelo Estado não dariam para manter um hospitalizado durante o dia. É relatado que o poder público já forneceu cerca de 1 mil kits em uma entrega.

O Governo do Estado alega que a responsabilidade pela compra dessas medicamentos é das instituições hospitalares. Antes da pandemia, não eram adquiridos pela Assistência Farmacêutica estadual. No entanto, frente à dificuldade de aquisição no país e ao aumento da demanda desde o ano passado, o governo do Estado e o Ministério da Saúde passaram a se articular para comprá-los excepcionalmente e distribuí-los às instituições com estoques padrão e que prestam atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Cleciane conta que as doações são bem-vindas, mas reforça que não atendem as necessidades do dia a dia. Por isso, o hospital importa o kit intubação da Turquia, uma vez que os itens no Brasil estão escassos e não estão disponíveis para todas as instituições frente à demanda. Ela conta que é necessário pagar em dólar, o que encarece a aquisição e impacta nos cofres da instituição. É colocado que esse impasse deve acontecer com o Executivo estadual, justificando o baixo lote disponibilizado.

O Virvi Ramos comprou volumes altos de medicamentos, perto de 40 mil kits. A diretora diz que a quantia grande é para estoque, pois há um temor de falta no atendimento. O montante daria de 60 a 90 dias, dependendo da medicação. O que diicta, muitas vezes, é a burocracia para a importação. A demora é de 15 a 20 dias.

Além do Hospital Virvi Ramos, uma Fundação Universidade Caxias do Sul (Fucs) feita 50 medicamentos do kit intubação.

Clique AQUI e confira uma entrevista completa.