Executivo e Legislativo se unem para pleitear priorização de professores no cronograma de vacinação nacional

O governo do Estado e o poder Legislativo se reuniram, em ato conjunto, nesta terça-feira (2/3), por meio de videoconferência, para pleitear a antecipação da vacinação dos professores e funcionários da rede estadual de educação. A categoria já pertence ao grupo prioritário para a imunização, mas ainda não há previsão de quando o governo federal disponibilizará doses suficientes para vacinar todos os professores.

O governador Eduardo Leite assinou um ofício, que será enviado ao ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, para oficializar o pleito. O texto argumenta que a postergação do retorno presencial das aulas representa o aumento do abandono e da evasão escolar, o crescimento do índice de distorção idade-série e perdas pedagógicas, entre outras consequências.

Se o cronograma apresentado pelo Ministério da Saúde a cumprir, a previsão é de que os professores comecem a ser vacinados em maio. Leite explicou que, sem uma concordância por parte do governo federal, o RS não pode decidir, sozinho, priorizar os professores em detrimento de outros profissionais ou pessoas do grupo prioritário. A ordem de vacinação dos grupos prioritários obedece aos critérios defendidos pelo Ministério da Saúde.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Gabriel Souza, reforçou a importância simbólica da iniciativa ao transmitir à população o sentimento de consenso do que é prioridade em um momento de crise sanitária. “Representado aqui a Assembleia e a unidade dos 55 deputados. O parlamento gaúcho foi o primeiro do país a votar pela antecipação da compra da vacina e de forma unânime. Também criou uma comissão de acompanhamento do planejamento da distribuição das doses. Isso comprova que o assunto é prioridade para o conjunto de deputados, pois só a imunização vai resolver de forma definitiva a pandemia ”, defendeu.

O ato oficial se dá em cumprimento à exigência constante em lei federal para que seja feita uma oficialização expressa de vontade do Estado junto ao Ministério da Saúde para inclusão dos professores no grupo prioritário de vacinação.

Até o momento, o Rio Grande do Sul já introduzida 923, 6 mil doses de vacinas, entre as quais a CoronaVac e a Oxford / AstraZeneca. Já foram aplicadas 594. 765 (483. 152 na primeira dose e 111. 523 na segunda dose).

Além de secretários estaduais, entre os quais a secretária Arita Bergmann (Saúde) e o secretário Faisal Karam (Educação), estiveram presentes, por meio de Justiça videoconferência, deputados estaduais, deputados federais, representantes dos educadores estaduais e o procurador-geral de , Fabiano Dallazen.