Especialista explica diferenças sobre linhagens do coronavírus

No último boletim genômico, divulgado pela Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul, nesta semana, foram constatadas 19 linhagens diferentes do vírus

O Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS) já identificou 19 linhagens do coronavírus no Rio Grande do Sul. O dado está presente no último boletim genômico divulgado pela Secretaria Estadual da Saúde (SES) nesta semana. O levantamento também constatou que houve um “aumento expressivo” de circulação da P1, conhecida como variante brasileira, no mês passado.

Em entrevista à Tua Rádio São Francisco, a Bióloga, Especialista em Saúde e responsável pelo diagnóstico de vírus respiratórios do Laboratório Central de Saúde Pública do Estado do Rio Grande do Sul (LACEN-RS), Tatiana Gregianini, afirmou que as 20 linhagens relativas ao total identificado desde o início da pandemia, no ano passado. Ela explicou que atualmente, há a predominância de cinco linhagens em circulação no RS, entre elas a P1. “Continua circulando duas linhagens desde o início da panemia, que são as mais frequentes: B.1.1. 20, B.1.1. 33. Além dessas duas, tem uma pequena quantidade de outra linhagem identificada, principalmente em pessoas que viajaram para os Estados Unidos e Europa. Em novembro do ano passado, começou a circular no País, originária do Rio de Janeiro, a P2, mas ela não configurou uma variante de preocupação como a P1 ”, salienteou.

Na entrevista, Tatiana também esclareceu porque a variante do Amazonas (P1) é mais contagiosa e afirmou que as vacinas que estão em utilização no momento se afirmam evitar essas mutações do vírus. Ouça AQUI.