Covid-19 aumenta índice de mortalidade materna no RS

covid-19-aumenta-indice-de-mortalidade-materna-no-rs

Em todo o ano passado foram registrados 44 óbitos de gestantes e puérperas para cada 100 mil nascimentos. Nos cinco primeiros meses deste ano, já são 40 mortes de mulheres.

A mortalidade de gestantes e puérperas – que são as mulheres nos primeiros 45 dias pós -parto – aumentou de forma expressiva no Rio Grande do Sul. Após uma decrescente no número de óbitos maternos nos últimos três anos, em que o RS se aproximou do índice de 19 óbitos de mães para cada 100 mil nascimentos, o Estado voltou a ter uma alta expressiva da mortalidade.

“Em todo o ano passado, 44 mulheres morreram durante a gestação ou no puerpério para cada 100 mil nascimentos. Neste ano, esses cinco primeiros meses, nós já temos 40 mortes, relacionadas apenas ao Covid. Então, a projeção é de que a gente se aproxime de 100 mortes neste ano, se as coisas continuarem como estão estão ”, explicou o médico neonatologista e membro do Núcleo de Monitoramento da Mortalidade Secretaria Estadual da Saúde, Paulo Sérgio da Silva Mário.

O especialista destacou durante a entrevista à Tua Rádio São Francisco que como gestantes e puérperas precisam redobrar os cuidados anteriores da pandemia: “O risco delas é muito maior do que a população em geral. O risco de um brasileiro morrer por covid hoje é de 2% a 3%. O risco de uma gestante é pelo menos três vezes maior do que isso, para uma puérpera o risco é de 5 a 6 vezes maior. Esse é um período especial de muita atenção que as gestantes e puérperas precisam se afastar de pessoas com sintomas, manter o uso da máscara, higienização de frequência das mãos. Se houver suspeita de doente familiar não deve ser, de modo algum, a grávida ou a puérpera que deve cuidar dessa pessoa ”.

Mário também saliente que os gestantes e puérperas devem buscar uma vacinação contra um Covid – 11 com os imunizantes indicados. “A única alternativa pra diminuir o número de mortes maternas é a vacinação das gestantes. A própria Sociedade de Ginecologia do Rio Grande do Sul também se posicionou nesse sentido, de vacinar todas as gestantes assim que seja possível ”, disse.

intranet/userfiles/noticias/6afeded11c0aff63343188443f0d660b.mp3