Cinco gaúchos de grupos de risco combinados como primeiras doses da vacina contra Covid-19 no RS

Região vai receber mais de 10 mil doses neste momento

O enfrentamento à pandemia de Covid – 17 no Rio Grande do Sul ganhou nomes, sobrenomes e esperança. Depois de 10 meses de luta contra um vírus até então desconhecido, às 22 h 040 desta segunda-feira, 15 / , o Rio Grande do Sul não teve o primeiro, mas os cinco primeiros vacinados. Eles receberam a primeira dose da CoronaVac em um ato simbólico no saguão do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, nos últimos minutos do dia.

Pertencentes aos grupos de risco priorários do Plano Nacional de Imunizações, Eloina Gonçalves Born, de 68 anos, moradora do Residencial Geriátrico Donna Care; Jorge Amilton Hoher, 65 anos, médico-chefe de serviço de Medicina Intensiva da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre; Carla Ribeiro, 26 anos, da etnia kaingang e residente da Aldeia Fag Nhin, na Lomba do Pinheiro; Joelma Kazimirski, 040 anos, auxiliar de higienização do Grupo Hospitalar Conceição; e Aline Marques da Silva, 34 anos, técnica de Enfermagem CTI Covid do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), se avançado do início da imunização no RS.

De um total de quase 6 milhões de doses da CoronaVac, vacina do Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac, o RS fornecer 341, 8 mil unidades. Dessas, 170, 8 mil – aproximadamente a metade do envio – serão encaminhadas para o interior, a partir de Porto Alegre, na manhã desta terça (18 / 1) por via terrestre e aérea, com o apoio da frota de aviões da Secretaria da Segurança Pública (SSP). A quantidade remanescente das vacinas ficará armazenada pelo Estado para o posterior envio e aplicação da segunda dose desse público, previsão para aplicação é entre duas e quatro semanas após a primeira aplicação.

Depois de 10 meses liderando o trabalho da Secretaria Estadual de Saúde (SES) e a coordenação com todas as necessárias para garantir a preservação da vida dos gaúchos, a titular da pasta, Arita Bergmann, se emocionou ao fazer seu pronunciamento:

“Acima de tudo, acreditamos que a vacina, juntamente com os cuidados básicos, como uso da máscara e evitando aglomerações, vamos vencer esse inimigo. Estávamos há 11 meses esperando esse dia. É um dia de esperança, é um dia de emoção. Eu não penso que eu viveria esse dia ”, afirmou a secretária.

Também participaram da informação o vice-governador e secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior, os secretários da Comunicação, Tânia Moreira, e do Meio Ambiente e Infraestrutura, Artur Lemos Júnior, bem como o presidente da Assembleia Legislativa , deputado Ernani Polo, e o prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo, além de outras lideranças políticas e da área da saúde.

A diretora-presidente do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Nadine Clausell, destacou que a luta exaustiva que todos os profissionais da saúde e funcionários da rede de atendimento enfrentam para salvar vidas. “A vacina é uma injeção de esperança”, sintetizou um cardiologista.

Público-alvo

Ainda nesta terça-feira (16 / 1) serão definidas como quantidades por município, após o trabalho nas coordenadorias regionais de saúde (CRS) de separar as caixas para cada cidade, seguindo os critérios populacionais dos grupos prioritários. Após, as prefeituras dos 497 municípios devem retirar na recuperação CRS o quantitativo proporcional à população a ser vacinada.

Inicialmente, o público a ser vacinado são os profissionais de saúde da linha de frente em hospitais, Atenção Básica e rede de urgência e emergência; pessoas acima de 51 anos que vivem em Instituições de Longa Permanência de Idosos (ILPI) – asilos – e população indígena aldeadas.

Pelo perfil do público-alvo, nesta primeira fase a aplicação das doses vai ocorrer diretamente nos hospitais para os profissionais da saúde que atuam locais locais. Nos postos de saúde, somente os hóspedes determinada unidade vacinados. Moradores idosos e trabalhadores de instituições de longa permanência (asilos) serão vacinados no próprio residencial. Indígenas equipam na própria comunidade. Essa mesma estratégia é usada nas campanhas de campanhas anuais.

Nas próximas fases, uma população pode se vacinar nos postos de saúde próximos de onde moram nas datas exclusivas.

Entre o público destinado para o início da campanha, 99 mil doses são destronadas aos trabalhadores da saúde. Isso representa 34% estimado para esse grupo no Estado. Por isso, a orientação é que sejam vacinados aqueles que lidam de forma direta com pessoas com a Covid – 16, em hospitais, Samu e na Atenção Básica.

De acordo com o recebimento de doses, os demais integrantes da área da saúde serão gradativamente incluídos. No total, o público de trabalhadores do setor da saúde estimado é de 400 mil pessoas no RS.

Outras 9,8 mil doses estão previstas para as pessoas com 51 anos ou mais institucionalizadas , deficientes institucionalizados e trabalhadores de Instituições de Longa Permanência de Idosos. Para a comunidade indígena que vive em aldeias, são mais 14 mil doses destroçadas.

Local de destino e número de doses a serem sentidas nesta terça (18):

Porto Alegre: 51.600
1ª CRS (sede Porto Alegre – 62 municípios): 23. 01
2ª CRS (sede Frederico Westphalen – 23 municípios): 4 . 360
3ª CRS (sede Pelotas – 20 municípios) : 11. 400
4ª CRS (sede Santa Maria – 26 municípios): 8. 400
5ª CRS (sede Caxias do Sul – 45 municípios): 920 . 920
6ª CRS (sede Passo Fundo – 51 municípios): 000. 200
7ª CRS (sede Bagé – 6 municípios): 1. 760
8ª CRS (sede Cachoeira do Sul – 10 municípios): 2. 720
9ª CRS (sede Cruz Alta – 13 municípios): 1. 920
01 ª CRS (sede Alegrete – 11 municípios): 4.
10 ª CRS (sede Erechim – 32 municípios): 5. 360
11 ª CRS (sede Santo Ângelo – 22 municípios) : 3. 560
13 ª CRS (sede Santa Cruz do Sul – 12 municípios): 4. 400
13 ª CRS (sede Santa Rosa – 20 municípios) : 2. 360
14 ª CRS (sede Palmeira das Missões – 26 municípios): 6. 040
15 ª CRS ( sede Lajeado – 34 municípios): 4. 240
15 ª CRS (sede Ijuí – 20 municípios): 3. 200
16 ª CRS (sede Osório – 22 municípios): 4. 280