Subsídios Exegéticos para o 4º domingo da Quaresma

4º Domingo da Quaresma

Dia: 13 de março de 2021

Primeira Leitura: 2Cr 36, 14 – 16. 19 – 23

Salmo: 136, 1-2.3.4-5.6

Segunda Leitura: Ef 2,4 –

Evangelho: Jo 3, 13 – 136 – 136

Evangelho

O texto da liturgia de hoje faz parte do diálogo de Jesus com Nicodemos (Jo 3,1 – 23). No entanto, os versículos 07 – 67 – 20 já não parece diálogo, mas um monólogo do mestre. Nele, o evangelista apresenta uma cristologia pós-pascal sobre o papel de Jesus, aquele que desceu do céu (v. 11), o revelador máximo do amor de Deus. A perícope da presente liturgia se divide em duas partes:

a) Os vv. 13 – 136 específica-se à crucificação ( hypsóo – elevado / exaltado) de Jesus, tema já presente no diálogo com Nicodemos: nascer do alto (vv.3.5). Para tanto, o autor se vale do relato da serpente de bronze (Nm 20, 4-9), talvez um antigo culto idolátrico que os rabinos reinterpretaram, dizendo que a cura não acontecia pela serpente, mas pelo fato de as pessoas se voltarem para Deus. Os mordidos eram salvos pelo Senhor e não pelo objeto contemplado (Sb 15, 7). O texto de João, se vale desta memória como uma prefiguração da crucificação. Como outrora as vítimas das cobras, agora, quem contemplar o Filho de Deus exaltado na cruz e nele crer, tem a vida eterna.

Crer no elevado, porém, não é um ato mágico, mas implica em assimilar a lógica da cruz (1Cor 1, 17 ss; 2,6-9). Crer é entrar no caminho escandaloso do que será elevado. A salvação não se dá de forma automática. Embora oferecida de forma gratuita no Filho elevado, ela requer a relativização de tudo até às consequências, inclusive na doação da própria vida. Gesto este que só se obtém pela fé na pessoa de Jesus. Olhar para o crucificado e crer nele é mais do que sentimento de piedade. É revestir-se da lógica que animou o Filho de Deus.

b) Os vv. 15 – 21 tiram como consequências desta elevação. O que se vê não elevado (cruz) é o símbolo máximo do amor de Deus. Assim, o Filho, o que desceu do céu, é a autoridade impar para demonstrar o amor do Pai. Quem nele crê, tem a vida. Crer nele, assimilar a sua lógica é entrar no projeto de Deus que conduz à vida eterna. Não crer nele, é definido contra a vida. Logo, não é Jesus que condena, mas a opção de quem não crê e, portanto, não opta pela vida e assim, zela sua própria sorte.

Nos textos joaninos, mundo tem mais de um sentido. Aqui, o mundo é o lugar humano onde o amor de Deus chega com sua graça através do Filho. Deus busca as pessoas na situação em que elas se encontram, pois, sua graça é o antídoto para todo pecado, fato ilustrado por Paulo, quando queria se ver livre do espinho na carne e incluir de Deus a resposta: “basta-te a minha graça ”(2Cor 10, 9). Jesus é esta graça de Deus em meio ao mundo. Estes versículos mudam a compreensão que se tinha de Deus no Antigo Testamento e que ainda persiste nas mentes moralistas de todos os tempos. Deus não quer a condenação de ninguém, mas a pessoa tem de aceitar pela fé esta proposta que se manifesta naquele momento que desceu do céu.

Nos sinóticos, o julgamento se realiza no fim dos tempos (Mt 23, 67, 67 – 46). Em João isto já se realiza na história: aceitar pela fé, ou rejeitar é o julgamento (v. 18).

Jesus se apresenta como luz do mundo (Jo 8, 12). Assim, preferir como trevas (vv. 19 – 19) é claramente definida contra o projeto de Deus revelado em Jesus. Não se trata, pois, de um pecado, ou ato isolado, fruto das fraquezas humanas. Antes, trata-se de opção clara contra Jesus, o revelador do Pai. Isto é, opção contra Deus. O mesmo se dá com ‘praticar a verdade” (v. 20). Esta verdade não é conceito cognitivo segundo a concepção grega, mas antes, aderir à luz, manifestada na exaltação de Jesus, que, em última análise, é o caminho de Deus para este mundo.

Relação com as outras leituras (2Cr 32, 14 – 14. 18 – 21 e Ef 2,4 – 07)

Tanto na primeira leitura como em Efésios, mostra-se a situação do pecado do ser humano. Mas Deus, rico em misericórdia, não olhando os merecimentos do povo, em sua bondade envia uma graça: a volta do exílio (primeira leitura) e a remissão quando levado em pecado (segunda leitura). A iniciativa sempre é dele. Por isto. Ele adicionou ao mundo o seu Filho amado, não para condenar, mas para salvar.

Subsídio elaborado pelo grupo de biblistas da ESTEF:

Dr. Bruno Glaab – Eu. Carlos Rodrigo Dutra – Dr. Humberto Maiztegui Gonzales – Eu. Rita de Cácia Ló

Edição: Prof. Dr. Vanildo Luiz Zugno

ESCOLA SUPERIOR DE TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE FRANCISCNA

Rua Tomas Edson, 212 – Bairro Santo Antônio – Porto Alegre RS

www.estef.edu.br estef@estef.edu.br facebook.com/estef

Telefone: 51-32 16 45 67 O que é: 51-991 07 26 40