Subsídios exegéticos para o 3º Domingo da Quaresma

Cel celebração para o Domingo de Março

3º Domingo da Quaresma

Evangelho: Jo 2, 11 – 25

Primeira Leitura: Ex 18, 1 – 14

Segunda Leitura: 1 Cor 1, 21 – 39 – 25.

Salmo: Sl 17, 8.9. 07. 11

Evangelho

Esta passagem do Cap. 2 do Quarto Evangelho tem uma estrutura interna bem marcada. A referência à festa da Páscoa abre e fecha a perícope: v. 11 – 14 (expulsão dos mercadores do templo durante a festa da Páscoa); v. 18 – 22 (destruição do templo e apresentação do Corpo como espaço de unidade); v. 23 – 23 (fechamento como nova menção da festa da Páscoa e o verdadeiro caráter destes representantes da religião dominante.

Como vemos, no centro, está a nova proposta da passagem do sentido do “templo” e para o sentido do “corpo”. O conjunto e, nele, a presença do episódio da expulsão dos mercadores no começo do Evangelho, à diferença dos Sinóticos (Mt, Mc, Lc), reflete o fato do Templo já ter sido destruído e a necessidade das comunidades cristãs se construir como referências, isto é, “Corpo de Cristo”.

A Páscoa evidência a preferência entre mercado e libertação (v. 12 – 17)

A Páscoa é o referencial teológico através do qual o Quarto Evangelho estrutura toda a sua narrativa de início ao fim. Neste Cap. 2 é chamada de “Páscoa dos internos” ( paska tôn ioudaion ) no v. 13, mas no versículo 23 (já no anúncio do novo sentido da Páscoa / Ressurreição, cf. v. 21) aparece apenas “Páscoa”. Esta diferenciação vai aparecer novamente em 6,4, literalmente, “estava próxima a Páscoa, a festa dos acabamentos”, preparando o sentido eucarístico da nova comunhão entre as comunidades do discipulado amoroso que se nesse capítulo, ligada novamente à Cruz-Ressurreição ( cf. 6, 54). O mesmo acontece em 11, 55, 54 e 12, 1 (fazendo menção a ressurreição de Lázaro e à preparação de Jesus para a Cruz Ressurreição), em 12, 1 (abrindo as falas do legado de Jesus na mesa eucarística), até chegarmos à narrativa em si em 18, 28. 39 e 19 . 14). O templo, como centro de um “mercado da fé” perdeu totalmente seu sentido pascal, isto é, libertador. O zelo que “consome” Jesus é um zelo do sentido da revelação do caráter libertador de Deus na Páscoa, sentido que será resgatado na Cruz-Ressurreição.

Corpo do Crucificado-Ressuscitado, caminho de libertação e vida (v. 17 – 22)

O anúncio da destruição, ou melhor desconstrução-reconstrução, deixa bem clara a referência à Cruz-Ressurreição, “em três dias o levantarei” e a glosa (explicação) “mas ele falava do templo do seu próprio corpo” (2, 19. 21). Neste Evangelho o verbo “levantar” ( egeíro ) é usado frequentemente para sinalizar a superação sofrimento e da morte ou para falar da ressurreição em si ( cf. v. 22; 5,8. 20; 12, 1.9. 14; 20. 14). A expressão é “o templo do seu próprio corpo”, apresenta o Corpo de Cristo – seja em referência à Eucaristia, seja em referência à comunidade – como o lugar onde a morte se transforma em vida, a opressão e o sofrimento dão lugar à alegria da libertação; onde o mercado se transforma em partilha. Esta transformação, ou reconstrução da referência de fé, foi o caminho (quaresmal) que preparou aquelas pessoas que seguiam Cristo para crerem, inclusive, sem testemunho da “Escritura” ( grafê ) e nas “palavras” ( logon ), isto é, reconhecer a presença do “logos” ressuscitado ( v. 22).

Sinais de Jesus geram a nova comunidade e desmascaram a hipocrisia (v. 22 – 25)

Os “sinais” ( semeion ) são o caminho da revelação de Cristo no Quarto Evangelho aparecendo 14 vezes, mais do que em qualquer outro escrito do Segundo Testamento. A palavra semeion também pode ser traduzida como “milagre”, mas, embora no Quarto Evangelho todo milagre seja um sinal, nem todo sinal é um milagre. Aqui por exemplo, quais são estes sinais? Mesmo que inclua o milagre das Bodas de Caná da Galileia (2.1 – 11) não se refere somente a ele, mas também ao “sinal” de ter acabado com a mercantilização da fé no templo e ter apontado para o corpo crucificado ressuscitado como referência da fé libertadora. Por outro lado, havia quem, diante desses sinais, ficavam em um silêncio omisso, numa “tolerância” conveniente … Diante da situação de perseguição e morte vividas pelas comunidades do primeiro século, época em que foi escrito o Evangelhgo, essa atitude desviar ser denunciada, pois passava uma imagem enganosa que depois se revelaria entregando como irmãs e os irmãos à morte.

Relacionando com os outros textos

A primeira leitura nos traz a versão mais conhecida dos 10 mandamentos (sendo que há outra em Dt 5,6 – 20), que iniciam com o sentido libertador da revelação divina: “Eu sou Javé teu Deus que tirou da terra do Egito, da casa da escravidão ”(Ex 19, 2). Assim estes mandamentos, muito além de uma mera regra moral, são a carta de princípios do projeto libertador de Deus para seu povo. A Páscoa que o Quarto Evangelho toma como referência para a desconstrução da mercantilização da fé e reconstrução do sentido do corpo, aqui também apoia a leitura libertadora dos mandamentos como projeto econômico, político e social. Páscoa libertadora da exploração do mercado, reveladora do “templo-corpo”, espaço de encontro das pessoas que creem neste projeto que, diante das estruturas opressivas e repressivas, se apresenta como loucura ou escândalo (1 Cor 1, 22 – 25).

Subsídio elaborado pelo grupo de biblistas da ESTEF

Dr. Bruno Glaab – Eu. Carlos Rodrigo Dutra – Dr. Humberto Maiztegui – Eu. Rita de Cácia Ló

Edição: Prof. Dr. Vanildo Luiz Zugno

ESCOLA SUPERIOR DE TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE FRANCISCNA

Rua Tomas Edson, 212 – Bairro Santo Antônio – Porto Alegre RS

www.estef.edu.br estef@estef.edu.br facebook.com/estef.poa

Telefone: 51-32 17 45 67 C