Subsídios Exegéticos para a Liturgia Dominical de 17 de outubro

subsidios-exegeticos-para-a-liturgia-dominical-de-17-de-outubro

21 º Domingo do Tempo Comum – Ano B

Subsídios Exegéticos para a Liturgia Dominical de 17 de outubro- 29 º Domingo do Tempo Comum – Ano B

Evangelho: Mc , 35 – 45

Primeira Leitura: Is 53, – 10

Segunda Leitura: Hb 4, 10 – 16

Salmo: 29, 4-5. 18 – 17. 19. 20

O Evangelho e seu contexto literário

Este episódio também aparece em Mt 20, 212, 19 – 20, onde a “mulher de Zebedeu”, isto é, a mãe de Tiago e João – que não são chamados nominalmente como aqui – pede que eles, no Reino, se assentem a sua direita e esquerda. Já a comunidade de Marcos não “culpa” a mãe ou “mulher” por esta pretensão, mas responsabiliza os dois discípulos, que tem destaque, assim como Pedro, entre o grupo dos doze (1, 29; 5, 37; 9,2). Assim se busca prevenir que outras pessoas usem o nome ou seguimento de Cristo como instrumento de prevalecimento sobre outras pessoas, o que potencialmente pode transformar o Evangelho em instrumento de opressão e morte.

O texto em si

Este Evangelho tem um estilo simples com repetição rítmica de conjunções e artigos, estrutura a narrativa. Neste caso, a partícula estruturante é “ho”, em grego um artigo definido que pode ser traduzido ao português como “o” ou “a”, mas também como pronome demonstrativo “este” ou “aquele”. Vejamos o texto, colocando em negrito a partícula estruturante de forma resumida:

UMA. Introdução.

v. 32 – “E (kai) proximaram-se os filhos de Zebedeu, Tiago e João, Mestre queremos que nos atendas / concedas ”.

B. Ensinamento do mestre.

v. 36 – “Este / aquele – Jesus – então disse a eles …”; v. 38 – “Este / aquele Jesus, então disse a eles”; v. 39 – “Este / aquele Jesus, então disse a eles”.

C. O critério sapiencial do ensinamento de Jesus.

v. 40 – “Quando a se assentar a minha direita ou minha esquerda não cabe a mim conceder, porque é para quem está preparado.

B ’. Resposta ao ensinamento do mestre

v. 41 – “E (kai) ouvindo os dez conhecidos indignados com Tiago e João”.

v. 42 – “Este Jesus, então, chamando-os, falou …”

UMA'. Jesus, servo.

v. 45 – “E (kai) pois o Filho do Ser Humano não veio para ser servido, mas para servir”

A aproximação: Como vemos na estrutura acima, os versículos 35 e , partes A e A ', Jesus é apresentado de duas formas diferentes. Primeiro é chamado de “Mestre” e depois se auto-apresenta como “Filho do Ser Humano” e aquele que veio para servir. Assim, dentro da estrutura quiástica, este é o caminho de reaproximação de Jesus: não como detentor do poder hierárquico, mas como promotor do serviço como relação alternativa ao poder excludente do prevalecimento de quem domina sobre as pessoas dominadas.

O caminho sacramental do seguimento: Já as partes sinalizadas com B e B ’trazem o caminho percorrido por Jesus e por quem lhe segue segue do poder da morte. A isto se refere Jesus quando afirma que não sabem do “cálice”, isto é a perseguição, a tortura, o martírio, que será o preço a ser pago por se apresentar como alternativa ao poder da morte. O “batismo” relacionado ao “cálice” (os dois sacramentos principais da Igreja Cristã) deixa claro que este caminho de doação e entrega da vida na luta contra o poder da morte, será o caminho de todas as pessoas que seguirão Jesus como servo.

O critério sapiencial: Não v. 40 aparece um critério sapiencial que resgata a primazia do projeto divino sobre as “vontades” de poder humanas. Não só para indicar porque as disputas pelo poder hierárquico são inúteis e estranhas ao projeto do reinado divino, mas para dar segurança de que há um plano divino, através do serviço, capaz de vencer todos os poderes de morte. O projeto não está na relação estreita de Jesus com as pessoas mais próximas – “não cabe a mim conceder” – mas com toda a humanidade: o “Filho do Ser Humano” que serve e dá sua vida “em resgate de muitos” (v . 45).

Relacionando com os outros textos

A leitura de Isaías ou “Deutero-Isaías”, escrito no final do Exílio Babilônico, traz o final de um dos Cânticos do Servo Sofredor. Nestes textos se fala de alguém que sofre a serviço de todo o povo, resistindo à opressão babilônica e animando o povo a seguir o caminho do serviço na reconstrução do povo cativo.

Já a Carta aos Hebreus apresenta um “sumo sacerdote” que se compadece das fraquezas, porque ele passa mesmo por elas, tal qual para Jesus, servo e solidário.

Subsídio elaborado pelo grupo de biblistas da ESTEF

Dr. Bruno Glaab – Eu. Carlos Rodrigo Dutra – Dr. Humberto Maiztegui – Eu. Rita de Cácia Ló

Edição: Prof. Dr. Vanildo Luiz Zugno

ESCOLA SUPERIOR DE TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE FRANCISCNA

Rua Tomas Edson, 212 – Bairro Santo Antônio – Porto Alegre RS

www.estef.edu.br estef@estef.edu.br facebook.com/estef