Subsídio exegético para o terceiro Domingo da Quaresma

Subsídio exegético  para  o terceiro Domingo da Quaresma

SUBSÍDIOS EXEGÉTICOS

LITURGIA DOMINICAL – ANO C

 

Terceiro Domingo da Quaresma

Dia: 20 de março de 2022

Primeira Leitura: Ex 3,1-8a.13-15

Salmo: 102,1-4.6-8.11

Segunda Leitura: 1Cor 10,1-6.10-12

Evangelho: Lc 13,1-9

 

O Evangelho

Os dois episódios relatados em 13,1-5 são encontrados exclusivamente em Lucas. O tema central é constituído pelo convite ao povo de Israel a converter-se acolhendo a ocasião do perdão que Deus oferece àqueles que aderem ao Evangelho. Os dois episódios tristes narrados no início do capítulo (v.1-5), que servem como uma introdução à parábola a seguir (v. 6-9), formam uma unidade literária de caráter apotegmático, escrita de forma simétrica: a primeira parte (v. 2-3) corresponde à segunda (v. 4-5); ambas incluem um logion quase idêntico de Jesus (v. 3-5).

Há uma ligação lógica entre as duas perícopes (v.1-5. 6-9), que ilustram os dois elementos essenciais da conversão: romper com o pecado, dar frutos. Através da boca de João Batista, Lc havia sublinhado como a conversão deve ser seguida pelos frutos (3,8.10ss.). A novidade do evangelho emerge nos v.8-9 da parábola, onde Jesus destaca a paciência do dono e a iniciativa preveniente do agricultor, para aludir à misericórdia de Deus, que dá salvação por meio de sua missão.

Lc apresenta Jesus reagindo à notícia das mortes na cidade no clássico estilo profético: os desastres são apresentados como exemplos de alerta para seus ouvintes. “Por terem sofrido tal sorte”: o “por” traduz uma expressão sugerida por hoti (“porque eles têm imediatamente esse destino”). Na piedade popular (com base em promessas deuteronômicas, cf. Dt 28-30) os desastres foram interpretados como uma punição pelos pecados (cf. Jó 4,17; Ez 18,26) e essa convicção se reflete em Jo 9,2-3, bem como em algumas das curas descritas por Lc (p.ex. 5,20-24). Jesus não contesta a equação pecado-punição, mas apenas se pergunta se os pecados deles foram piores do que os dos outros. As pessoas que morreram não mereciam morrer mais do que os outros. De uma morte repentina e violenta não se pode inferir a gravidade do pecado. Na verdade, o próprio Jesus irá encontrar uma morte que terá toda a aparência de um castigo pelos pecados. Mas o que o Messias quer dizer é que a própria morte, com o julgamento concomitante de Deus, está sempre muito perto. Isso pode acontecer enquanto alguém está realizando um sacrifício ritual. Isso pode acontecer enquanto a pessoa está passando por baixo de uma torre. E quando chega tão de repente, não há mais tempo para se converter. A conversão a que chama Jesus não consiste em apenas evitar o pecado, mas é uma aceitação da visita de Deus na proclamação de seu reino.

Para o/a leitor/a, porém, a notícia dessas mortes serve para lembrá-lo/a de que o próprio Senhor está inexoravelmente se dirigindo para a cidade em que essas terríveis coisas podem acontecer facilmente.

Particularmente interessante é o uso que Lc faz da tradição da figueira (13,6-9). Mateus e Marcos descrevem Jesus encontrando uma árvore de figos que não dá fruto. Mas em Lc este encontro é uma parábola que cumpre claramente a função de interpretar esta parte de sua história. A árvore não foi cortada sumariamente. Ele ganha mais um ano, apesar de já ter tido tempo de dar frutos. O encorajamento para os ouvintes de Jesus, é que o Messias ainda está a caminho da cidade; há ainda há tempo para dar frutos a ele. A ressalva é que, se não o fizerem, eles serão certamente cortados. Com esta parábola, a necessidade urgente de conversão é reafirmada.

A figueira estéril simboliza a falta de frutos por parte do povo judeu. Há ameaça de condenação escatológica, isto é, de exclusão do reino, se ele não se apressar em se converter. No entanto, o adiamento do corte da planta indica que a resipiscência ainda é possível. No contexto de Mt e Mc, o veredicto divino já foi pronunciado e é definitivo. De acordo com Lc, no entanto, Jesus com sua atividade ministerial concedeu ao povo de Israel uma última oportunidade de penitência e conversão. Era, no entanto, essencial aproveitar o momento certo (kairós), constituído da sua presença e pregação.

Jesus toma o exemplo de dois eventos trágicos para reiterar a urgência da decisão pela conversão. Segundo a tradicional tese da retribuição do pecado com um castigo, os ouvintes de Jesus viam nestes eventos a punição divina sobre os pecadores e o fato de alguns serem poupados os tranquilizava e confirmava sobre sua justiça. Jesus rechaça esta visão simplista e admoesta todos ao arrependimento das próprias culpas, de outra forma o juízo divino será inexorável. Na mesma linha, deve ser lida a parábola da figueira estéril.

Relação com as outras leituras

A revelação do nome de YHWH, na 1ª. Leitura, aparece ao lado da reiterada admoestação à conversão descrita em na 2ª. Leitura.  Deus se faz conhecer como o Deus da compaixão e não da punição e da vingança.

As três leituras lançam luz sobre o senso da leitura da história segundo o Espírito: Deus é o mesmo o tempo todo e ama os seres humanos de todos os tempos, mas das pessoas de todos os tempos espera uma resposta correspondente. Esse é o sentido da metanoeó, conversão da qual fala Jesus em Lc.

 

Subsídio elaborado pelo grupo de biblistas da ESTEF

Dr. Bruno Glaab – Me. Carlos Rodrigo Dutra – Dr. Humberto Maiztegui – Me. Rita de Cácia Ló

Edição: Prof. Dr. Vanildo Luiz Zugno

www.subsidiosexegeticos.wordpress.com

 

ESCOLA SUPERIOR DE TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE FRANCISCNA

Rua Tomas Edson, 212 – Bairro Santo Antônio – Porto Alegre RS

www.estef.edu.br     estef@estef.edu.br    facebook.com/estef.poa

Fone: 51-32 17 45 67     WhatsApp: 51-991 07 26 40