Silvio Confortin fala sobre possível demarcação de terras indígenas na região de Marau

Segundo ele, cerca de 90 famílias marauenses seriam afetadas

“A gente não pode corrigir uma injustiça que foi feita há muitos anos atrás com a comunidade indigena, cometendo outra injustiça”, foram estas as palavras usadas pelo vereador marauense, Silvio Confortin, para explicar a sua posição diante do desejo da FUNAI (Fundação Nacional do Índio) de demarcar terras indígenas na região de Marau. 

Em entrevista que concedeu a Tua Rádio Alvorada, Silvio, explicou que a Fundação quer demarcar aproximadamente 23 mil hectares, destes, 3 mil estão localizados dentro do município de Marau, o que corresponde a uma área habitada por cerca de 90 famílias. 

Segundo o vereador, esse processo iria prejudicar comunidades estabelecidas a centenas de anos. Além disso, em discurso realizado na cerimônia de posse dos vereadores eleitos no pleito de 2020, Silvio aponta que “essa pretensa demarcação de área indigena é uma injustiça, pois é baseada em fraudes, em documentos que não podem ser provados” e que “é contra a constituição, pois fere o direito à propriedade”. 

Silvio ainda afirmou que reconhece as dificuldades enfrentadas pela população indigena e as consequências das ações tomadas pelo Brasil no passado, mas que a demarcação de terras não é a solução, pois uma minoria da comunidade indigena se beneficiaria com esta ação. Segundo ele, é necessário criar políticas públicas adequadas para realmente resolver o problema.

Durante a entrevista, Silvio falou, também, sobre a sua experiência nas eleições 2020 e sobre a mudança que fará para o Poder Executivo. A entrevista completa está disponível no áudio da matéria.

intranet/userfiles/noticias/b335b5cecf9b5fd48941d16212af8861.mp3