100 dias do governo Adiló Didomenico e Paula Ioris: confira o balanço realizado pelo chefe do executivo

Agravamento da pandemia, avanços nos setores de urbanismo e infraestrutura, além de polêmicas envolvendo o transporte público e o caso Magnabosco marcaram fase inicial do mandato dos tucanos

O governo Adiló Didomenico completa 100 dias neste sábado, 10 de abril. Para apresentar as ações realizadas neste período, o chefe do Executivo, acompanhado pela vice-prefeita, Paula Ioris, concedeu uma coletiva de imprensa nesta sexta-feira (09). Na ocasião ele falou sobre a fase inicial do governo, marcada pelo agravamento da pandemia, por polêmicas em alguns setores, como do transporte público, e por avanços, como o andamento do processo de construção do Aeroporto de Vila Oliva.

Segundo Adiló, dos 19 itens do Plano de Governo, 10 foram contemplados parcialmente ou totalmente nos primeiros 100 dias.

Na área de economia, o prefeito destacou a Lei de Liberdade Econômica que facilitou a liberação das atividades de empresas de baixo risco dispensando o alvará. Ele também mencionou como ações previstas para lidar com o comércio ilegal no município.

Outra demanda, que também foi uma das principais promessas de campanha de Adiló, parcialmente aberta nesta fase inicial, é uma regularização fundiária. O projeto de lei que vai permitir ao governo atender à demanda de mais de 600 áreas e 100 mil lotes irregulares no município, está formatado e deve ser enviado à Câmara de Vereadores até o final deste mês.

A Maesa foi contemplada na fala do chefe do Executivo no sentido de ser uma das prioridades na dinâmica das Parcerias Público-Privadas (PPP).

No enfrentamento à pandemia de Covid – 19, Adiló destacou o ingresso de Caxias do Sul no Cisga – Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Sustentável da Serra Gaúcha – que está negociando a aquisição da vacina Sputnik V junto ao laboratório União Química.

Quanto às polêmicas do governo nos primeiros 100 dias, Adiló trouxe como suas justificativas. Um dos principais questionamentos, inclusive do eleitorado, é o não cumprimento, até o momento, do barateamento da passagem do transporte coletivo urbano. Na campanha, o prefeito fez uma promessa de que trabalharia para diminuir o valor da tarifa para R $ 3, 50.

O caso Magnabosco também cercou o governo de críticas, quando ocorreu o anúncio da contratação de um escritório de advocacia, em Brasília, para realizar a defesa do Município no julgamento de mais uma ação envolvendo o caso. O valor firmado pelos serviços do escritório José Delgado e Ângelo Delgado Advocacia e Consultoria seria de R $ 500 mil, porém o Tribunal de Justiça do Estado barrou o contrato.

Adiló Didomenico e Paula Ioris, ambos do PSDB, foram eleitos no ano passado com 59, 50% dos votos válidos.

Confira as falas do prefeito no botão “Ouvir Notícia”.

intranet/userfiles/noticias/d81e4c960c67b84bc60a1a809079b159.mp3