Startup fará DNA do solo nas propriedades rurais

ConnectBio aposta nas análises de enzimas para incrementar a produtividade nas lavouras

Virá do solo – e da saúde da área que abriga a lavoura – a próxima revolução da agricultura. Uma terra fértil conta com grande variedade de microorganismos, que contribui para estruturação e proteção da planta, retenção de água, reciclagem de nutrientes, promoção do crescimento vegetal e degradação de materiais orgânicos, por exemplo. E, quanto mais diversificado para esse microambiente, mais rico e saudável será o solo. Com esse foco, foi criada a agrotech ConnectBio.

Dessa forma, será possível identificar a diversidade existente nesse microambiente e oferecer soluções para preservar a saúde da terra e usar os melhores produtos para correção.

Para a execução das análises, um ConnectBio atua em conjunto com a Analítica Central da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc). Buscando detectar com exatidão como diferenças de solos não percebidas em análises convencionais, surgiu o estudo das atividades enzimáticas. Essas avaliações estabelecidas a definir, por exemplo, o volume de fertilizantes disponível e a planta de cobertura mais adequada para uma área fornecida.

A ConnectBio possui uma parceria estratégica com a ConnectFarm – startup que integra tecnologia e fatores de produção, fazendo análises das áreas a partir do Índice de Gestão Ambiental (IGA). Baseada em um algoritmo que insere atributos do solo, das plantas e do ambiente, a solução permite recomendações assertivas para as propriedades.

O Diretor Técnico da ConnectFarm, Antonio Luis Santi, ampliou o assunto em entrevista ao programa Temática. Acompanhe na íntegra.

intranet/userfiles/noticias/f1c035a7e77ae230d7a82c3049c5c0a6.mp3