Reunião entre Prefeitura de Caxias e moradores da 2ª Légua vai discutir a construção do Parque de Proteção Animal

Reunião entre Prefeitura de Caxias e moradores da 2ª Légua vai discutir a construção do Parque de Proteção Animal

Encontro foi agendado para o dia 06 de novembro, a partir das 17 h

Uma provável escolha de São Virgílio da 2ª Légua, em Caxias do Sul, para a construção do Parque de Proteção Animal desencadeou o descontentamento da comunidade. As justificativas são várias, como possíveis, barulho dos animais, mau cheiro e falta de diálogo sobre o tema. Protestos foram protagonizados na região contra a escolha do espaço. Por isso, o Município agendou uma reunião com os moradores para discutir o tema.

No dia 06 de novembro, próximo sábado, a partir das 17 h, técnicos da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semma) estará em São Virgílio da 2ª Légua para explicar o projeto e sanar as dúvidas da comunidade. O encontro também terá a presença do prefeito Adiló Didomenico. Convites foram enviados à Câmara de Vereadores e ao Judiciário. A reunião foi intermediada pelo diretor da Semma, Henrique Koch, e pela secretária de Governo, Grégora Fortuna dos Passos, em uma conversa com uma comissão representativa da localidade. O debate será no salão da comunidade.

Para a Tua Rádio São Francisco, Koch fala alguns argumentos que serão necessários nos dados. Segundo ele, a pasta vai mostrar que o Parque de Proteção Animal será um atrativo turístico, expor os termos técnicos adotados para a concepção do projeto. Sobre o temor de propriedades nas propriedades próximas próxima, o diretor afirma que vai argumentar que o espaço terá um processo de higienização, sem prejudicar o meio ambiente. Terá um sistema de recolhimento de dejetos dos animais, evitando a contaminação do solo.

De acordo com o projeto, o parque será dividido em três partes: uma área de preservação; um parque para visitação e lazer da comunidade, com monumento e local para despedida do animal, sede administrativa (com CTI de resgatados, consultório para atendimento dos animais do canil) e casa das ONGs; e o centro de proteção.

Clique AQUI e ouça a entrevista completa.