Estudo revela que sem estratégias de conservação, araucária deve ser extinta em 2070

Artigo publicado pela Universidade de Reading, no Reino Unido, mostra que a espécie pode deixar devido à intensa exploração e às mudanças climáticas

Dos 20 milhões de hectares da extensão original da Floresta com Araucárias, hoje restam apenas de 1 a 3% e o futuro ainda pode ser mais severo para a planta.  Segundo estudo publicado este ano, a araucária deve ser totalmente extinta até 2070, como resultado da intensa e predatória exploração madeireira e do manejo inadequado das sementes. O cenário é agravado pelas mudanças climáticas, que interferem nesse e em outros ecossistemas. Para os cientistas, apenas intervenções direcionadas podem ajudar a garantir a sobrevivência da espécie na natureza.

Componente importante da Mata Atlântica, a araucária ocorre predominantemente nos estados do Sul do Brasil e em algumas regiões serranas do Sudeste. Conhecida como símbolo do Paraná, a árvore de grande porte pode atingir 50 metros de altura. Atualmente, os poucos remanescentes da espécie estão localizados em pequenas e médias propriedades rurais, que asseguram aos agricultores uma importante fatia de renda por meio da extração do pinhão e das folhas de erva-mate, que fazem parte do ecossistema da Floresta com Araucárias.

Guilherme Karam, coordenador de Negócios e Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário, falou sobre o assunto em entrevista ao programa Temática na manhã desta quinta-feira. Confira na íntegra.

Link para notícia no site Tua Rádio