Sociedade de Pediatria do RS defende volta às aulas presenciais

O Brasil é o país que mais tempo ficou em aulas online

O tema é motivo de preocupação da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS) que entende a importância da retomada das aulas com máximo cuidado sanitário. Os médicos não negam a gravidade da pandemia, mas defendem que é preciso lembrar que tão cedo não haverá vacinação para crianças e não é possível esperar uns 2 ou 3 anos para ser ter uma vacina. Até lá, os efeitos acadêmicos e psicológicos seriam muito graves.   As evidências que ajudam a incentivar o retorno são baseadas nos últimos dez meses quando viu-se que a criança mostrou-se não tão transmissiva quanto se temia no início da pandemia. Além disso, percebeu-se que as crianças que tiveram contato com o coronavírus apresentaram sintomas muito mais brandos, ainda que aconteçam exceções.

O médico da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, José Paulo Ferreira, falou sobre o assunto em entrevista ao programa Temática na manhã desta terça-feira. Confira na íntegra.

 

intranet/userfiles/noticias/c9d17c46a6c633e0b2955b8e1647d0cf.mp3