Novas regras para eventos agropecuários com animais entra em vigor neste mês

novas-regras-para-eventos-agropecuarios-com-animais-entra-em-vigor-neste-mes

Se preferir, ouça este conteúdo no player de áudio da matéria

Entra em vigor na próxima semana, no Rio Grande do Sul, o novo regramento para a realização de eventos com presença de animais. As medidas que passam a ser adotadas estão relacionadas aos compromissos assumidos pelo Estado por ocasião da elevação de status para zona livre de febre aftosa sem vacinação, conferido em maio deste ano pela Organização Internacional de Saúde Animal, uma OIE.

Conforme Maurício Flores, que chefia a Inspetoria Veterinária e Zootécnica de Marau, entre as novidades está a alteração no formato de emissão das guias de trânsito animal, que não será mais emitidas de forma antecipada. Com isso, os locais de eventos devem ter, obrigatoriamente, ambiente com internet. Da mesma forma, todo promotor de evento agropecuário e / ou de aglomeração de animais de interesse peculiar, deve ser previamente cadastrado junto à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural.

Outra mudança diz respeito a capacitação dos responsáveis ​​técnicos pelos eventos. Com a normativa entrando em vigor, sem dia 13 / 10, os médicos veterinários só afetados nos eventos agropecuários, se os primeiros cadastrados junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e realizarem uma etapa de treinamento, que normalmente é feito ou na sede da IVZ do município ou na regional da Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, que na região está localizada em Passo Fundo.

Flores alerta, no entanto, para o baixo número de profissionais cadastros no município. Os solicitantes podem buscar mais informações com o órgão. Entre as funções do responsável técnico cadastrado está acompanhando o evento, desde a chegada até a saída de todos os animais, zelando pela sua sanidade, coibindo maus tratos e evitando lesões e ferimentos. Além disso, conforme as regras, todo local de evento, lembra Maurício Flores, se fizer divisa com outras propriedades onde existem animais, must ter cercamento divisório duplo.

intranet/userfiles/noticias/2bbde79fc3e69f9eb0aafa377e5064c2.mp3