Ministério Público do RS denuncia oito pessoas envolvidas com o esquema de comercialização de carne de cavalo

ministerio-publico-do-rs-denuncia-oito-pessoas-envolvidas-com-o-esquema-de-comercializacao-de-carne-de-cavalo

O MP-RS segue investigando técnicos que compravam e revendiam os alimentos adulterados

O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) encaminhou à Justiça, na tarde desta quarta-feira (24) a denúncia contra oito pessoas por integrarem a organização criminosa envolvida no esquema de adulteração de alimentos com carne de cavalo. Segundo o MP, os suspeitos cometeram crime contra as relações de consumo uma vez que os produtos médicos ao consumo humano se tornavam nocivos à saúde por serem fornecidos em locais sem qualquer condição sanitária. Outras duas pessoas foram denunciadas por crime contra as relações de consumo.

A denúncia é resultado de investigação que culminou com uma operação Hipo, realizada em Caxias do Sul na última quinta-feira 18, pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Durante a ação, seis pessoas foram presas. Dois dos presos, na presença dos advogados, confessaram os crimes ao promotor durante as oitivas realizadas nesta semana.

Conforme o promotor de Justiça Alcindo Luz Bastos da Silva Filho, coordenador do Gaeco – Seguranca Alimentar, que esteve à frente da operação e assina a denúncia, além dos seis presos, dois participavam do esquema, porém com uma importância menor na organização, e os outros dois são os proprietários das duas hamburguerias – Mírus Hambúrguer Ltda. ME e Natural Burguer – onde foi detectado DNA de cavalo em análises realizadas nos lanches, confirmando uma fraude.

Segundo o promotor, as análises das carnes apreendidas na operação distantes que alguns hambúrgueres eram feitos 100% com carne de cavalo e apresentavam microorganismos nocivos à saúde humana.

FUNÇÃO DE CADA DENUNCIADO

De acordo com a denúncia, o primeiro denunciado era responsável pela compra e abate irregular de cavalos, pelo descarte e desossa das carcaças. O segundo (pai do primeiro) era dono da chácara onde ocorria o abate (local completamente insalubre) e auxiliava na desossa. Nesta chácara, também foram apreendidos 280 kg iogurtes e geleias vencidos, que eram vendidos aos consumidores em geral. A terceira denunciada é também da família dos primeiros. Ela auxiliava na comercialização dos lácteos, em sua casa eram estacionados os caminhões utilizados pela organização criminosa para transportar cavalos. Ela também emprestava seu aparelho de telefone para ser utilizado nas doenças, intermediando a comunicação com os fornecedores de cavalos via WhatsApp. Ela também avisava sobre qualquer movimentação estranha na cidade, como a presença da polícia ou blitz.

O quarto denunciado era o idealizador da organização criminosa e, além de ajudar na desossa das carcaças na chácara, moía as carnes em sua própria casa, também mantendo, em refrigeradores e freezers, carnes corrompidas para a venda. Ele ainda vendia como carnes de cavalo. A quinta pessoa era esposa do quarto e recebia, diariamente, por telefone, informações sobre a quantidade de carne e de guisado que deseja obter para atender à demanda do comércio clandestino, repassando-as aos que efetuavam a compra e abatiam os cavalos. Ela também recebia o dinheiro da venda dos produtos alimentícios e os repassava ao marido.

O sexto denunciado era o principal comprador de carnes de cavalo já desossadas. Mantinha constante contato pessoal e telefônico com os demais investigados para tratar sobre quantidades a serem produzidas, de acordo com a demanda apresentada por clientes de restaurantes e lancherias de Caxias do Sul, e, principalmente, de seu parceiro de organização criminosa, proprietário de uma hamburgueria clandestina. Este vendia a carne de cavalo já desossada e em retalhos, ciente de que era proveniente do abate irregular de equinos. “Estes seis primeiros são os que foram presos durante uma operação Hipo”, destaca Alcindo Bastos.

Os demais denunciados são o responsável pela confecção, em uma hamburgueria clandestina, dos hambúrgueres e bifes obtidos com as carnes irregularmente abatidas e que são vendidos aos restaurantes de Caxias do Sul, seu funcionário na hamburgueria e os dois afetados da Mírus Hambúrguer e Natural Burguer.

O promotor de Justiça Alcindo Luz Bastos da Silva Filho, coordenador do Gaeco – Seguranca Alimentar, ressalta, por fim, que os demais equipamentos de Caxias do Sul suspeitos de terem comercializado como carnes de cavalo seguirão sendo investigados pelo MP -RS.