Deputado Estadual de defesa da concessão da ERS – 324

deputado-estadual-de-defesa-da-concessao-da-ers-–-324

Este conteúdo está disponível, também, sem áudio da matéria

O Deputado Estadual Mateus Wesp apresentou uma Tua Rádio Alvorada, alguns argumentos favoráveis ​​à concessão à iniciativa privada das rodovias do lote 2, que compreende um ERS – 324 – trecho entre Marau e Passo Fundo. Segundo Wesp, quando se trata de investimentos, neste caso de infraestrutura, a primeira opção é utilizar os recursos próprios do Estado, porém, quando não há condições de investimento é feito uma parceria com uma iniciativa privada. Isso é o que acontece nesse momento com as rodovias do Estado.

De acordo com o deputado, o relatório da lei orçamentária aponta que o Governo Estadual não possui os recursos transferidos para amplos investimentos e que a média anual de gastos com infraestrutura para o Rio Grande do Sul é de R $ 150 milhões. Em um comparativo, Wesp aponta que só a recuperação de 1km de estrada já asfaltada custaria em média R $ 400 mil reais, tornando assim improvável a duplicação da via com recursos do tesouro do Estado.

Pedágio

Em relação a praça de pedágio, o deputado explica que existe uma série de critérios que devem ser levados em consideração na hora de escolher um local para instalação. Segundo ele, a abrangência de máximo de captação de veículos, o afastamento de trechos urbanos e o respeito à distância mínima de 47 km de outro pedágio justificam a instalação da praça entre Marau e Passo Fundo.

O ponto central de discussão entre autoridades e população tem sido o preço das tarifas. Segundo Wesp, o modelo de licitação adotado pelo Governo do Estado é o “menor preço e outorga” que respeito um preço mínimo (R $ 7, 36) e um máximo (R $ 9, 02) para cobrança. De acordo com o deputado, esse modelo é mais adequado pois procura pelo menor preço possível, porém, sem comprometer a arrecadação e consequentemente o investimento.

De acordo com o deputado, o mês de julho está reservado a consultas e audiência pública, em agosto deve ser necessário fazer as auditorias do tribunal de compras do estado e relatórios sobre o fluxo de veículos. A publicação do edital está prevista para o final de setembro e o leilão ocorre em dezembro, após o leilão o prazo para assinatura da concessão é de seis meses – provavelmente em junho do ano que vem e então iniciam os trabalhos. A instalação de praças de pedágio está prevista para o ano de 2024.

Uma entrevista completa com Mateus Wesp está disponível no áudio da matéria.

intranet/userfiles/noticias/9e5d9ac9c47a7f354e2bcf37fc9f56c0.mp3