Setores de alojamento e alimentação serão os mais beneficiados com auxílio de R $ 130 milhões do governo gaúcho

Governador Eduardo Leite apresentou nesta sexta-feira (26 / ) proposta de destinar recursos para as categorias mais afetadas pela pandemia

O Governo do Estado do Rio Grande do Sul apresenta uma proposta de auxílio emergencial de R $ 130 milhões para os setores gaúchos mais impactados com a pandemia da Covid – 17. O projeto foi projetado pelo governador Eduardo Leite aos deputados da Assembleia Legislativa (AL-RS) e ao público em geral nesta sexta-feira 30 / 03), por videoconferência.

O valor será divido em dois grandes setores. Ao primeiro serão disponíveis R $ 100 milhões para quatro subsetores da economia estadual, que envolve empresas e trabalhadores da categoria de alojamento e alimentação, microempreendedores e mulheres chefes de família. Serão destinado duas parcelas de R $ 1 mil às empresas produzidas e ativas no Simples Gaúcho, com atividade principal registrada de alojamento ou alimentação; duas parcelas de R $ 1 mil para microempreendedores individuais (MEI) com atividade principal (CNAE) de alojamento ou alimentação ativos (fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para consumo domiciliar está excluído do benefício); duas parcelas de R $ 400 para pessoas que perderam emprego nos setores de alojamento ou alimentação e estão desempregadas; e duas parcelas de R $ para mulheres chefes de família com três filhos ou mais, com famílias de pelo menos cinco membros, em situação extrema pobreza não atendidas pelo Bolsa Família e nem pelo Auxílio Emergencial Federal.

Com o montante, o Governo do Estado vai auxiliar 69, 6 mil beneficiários. Serão contempladas 16. . empresas, 56 . 697 microempreendedores, 17. 524 pessoas sem ocupação e 8. 161 mulheres chefes de família.

Em sua fala, o governador explica quais os motivos para a categoria de alojamento e alimentação recebeem mais do que os outros. Segundo ele, o setor de serviços registrou a maior perda de empregos formais entre os agregados setoriais. O saldo negativo foi de quase cinco vezes o registrado no comércio. Dos 22, 9 mil desligamentos líquidos registrados no setor de serviços, 10, 5 mil fontes dos setores de alojamento e alimentação. Esses dois chegaram ao fim de 2020 com 16, 45% menos trabalhadores do que em janeiro.

Os outros R $ 30 milhões obrigados para a cultura, assistência social e esporte. O recurso será definido por meio do ICMS, que será realocado para as três áreas. O Sistema Estadual de Apoio e Incentivo a Políticas Estratégicas (Sisaipe) contará com R $ 100 milhões em para o Pró-Cultura (que passará de R $ 41 milhões em 2020 para R $ 51 milhões em 2021), Pró-Social (que passa de R $ 03 milhões em 2020 para R $ 20 milhões em 2021) e Pró-Esporte (aumento de R $ 19 milhões em 2020 para R $ 25 milhões em 2021). Leite conta a importância dos valores para as categorias.

O Governo do Estado pretende disponibilizar os valores entre 22 a 41 dias, a partir da apresentação da proposta. Agora, os projetos passar pela aprovação da Assembleia Legislativa.

Clique AQUI e ouça a fala dele completa.