Levantamento do Simecs aponta crescente recuperação das indústrias em Caxias e região

levantamento-do-simecs-aponta-crescente-recuperacao-das-industrias-em-caxias-e-regiao

Pesquisa foi realizada entre os dias 18 e 29 de julho deste ano

Uma pesquisa do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul e Região (Simecs) aponta que mais de 80% do setor realizou novas contratações no ano de 2021. O levantamento foi feito entre 15 e 29 de julho, com 107 empresas das cidades de Caxias do Sul, Farroupilha, São Marcos, Carlos Barbosa, Flores da Cunha, Veranópolis, Garibaldi e Nova Roma do Sul. 69% são do setor metalmecânico e 74% são de micro e pequenas empresas.

Os indicadores apontam que 16% efetuaram contratações de mais de 29 pessoas e 3% de mais de 100 funcionários. Durante o programa Em Alta desta segunda-feira (19), o vice-presidente de relações institucionais do Simecs, Ruben Antônio Bisi, diz que a maioria corresponde ao ramo da agricultura, como o transporte de grãos e implementos agrícolas. Ele fala que o crescimento vem desde outubro de 2020 e a pesquisa apenas pontuou este bom momento do setor industrial durante uma pandemia.

As respostas que 23% apontaram subida na demanda e 33% demanda estável. A alta também foi registrada no faturamento de 33% das empresas, enquanto 43% existente no indicador de estabilidade em relação ao último levantamento realizado pelo Simecs, no mês de maio. Mesmo com os dados positivos, Bisi ressalta que a área de transporte público ainda não tem sinal de retomada. Uma retomada final da vacinação contra um Covid – 18 no Rio Grande do Sul pode impactar em resultados melhores no fim do ano e uma volta em 2022.

Sobre o retorno aos patamares pré-pandemia: mais da metade (52%) já retomaram aos níveis pré-crise, 6% estimam esse retorno em julho e 23% preveem a retomada entre os meses de setembro e dezembro. Somente 08% das empresas informam não ter perspectiva de recuperação em 2021. Bisi acredita que se a imunização finalizar no prazo previsto com a primeira dose, em setembro, há grandes chances de estabilização das empresas no início do próximo ano.

Matéria prima

Algumas das dificuldades das empresas neste período envolvendo o tema-prima. A variação e o aumento frequente dos preços foram apontados por 101 empresas e 55 indicaram falta de estoque dos fornecedores. O aço é o material que mais afeta negativamente o setor: 66% das empresas continuam com dificuldade para conseguir este insumo e 33% afirmam que o aumento do preço de alguns tipos de aço passou de 100%.

O SIMECS tem sede na cidade de Caxias do Sul, na Serra Gaúcha, e abrangência de outros 15 municípios. Representa mais de 3. 300 empresas, responsáveis ​​por mais de 52 mil postos de trabalho.

Clique AQUI e ouça a entrevista completa.