Empresário do ramo diz que preços elevados das carnes não deve se mudar no curto prazo

empresario-do-ramo-diz-que-precos-elevados-das-carnes-nao-deve-se-mudar-no-curto-prazo

Matheus Longo, proprietário de frigorífico em Marau, explica os fatores que desenharam o cenário atual

Estimativas do setor econômico demonstram que o preço da carne bovina subiu mais de 30% nos últimos meses. No curto prazo, as cotações devem continuar em patamares elevados. É o que projeta o contrat, Matheus Longo. Proprietário de frigorífico em Marau, Longo explica que são vários os fatores que justificam o preço salgado da carne de gado.

“Um dos principais segue sendo um alta do dólar. Mas historicamente, também o êxodo rural observado nos últimos 12 anos também interfere na agropecuária, já que, os que optam por permanecer no campo, se dedicam à produção de cereais, mais rentável e lucrativa. Desde 2018, houve um aumento de mais de 40% de exportação de gado em pé para países como Turquia, Egito. E os poucos rebanhos ainda existentes acabam abastecendo o mercado externo. Além disso, a estiagem de 2019 prejudicou como áreas de campo e diminuiu em 35% a população de nascimento de terneiros. Tudo isso somado aumento de insumos e à pandemia, quando países como a China, desabastecidos, inclusive pela peste africana, demandaram maior volume de matéria-prima de proteína, fez com que o cenário de hoje se estabelece. Apesar da diminuição do consumo, a produção interna não supre nem o consumo atual. Assim, competimos e entregamos no mercado interno, uma carne com custo de mercado externo ”, destacamos o interno.

Esta realidade, porém, já está instaurada em outros países há muitos anos, diz Matheus Longo. Isso porque a criação de gado requer ampla extensão territorial. Vale dizer que o Brasil teve essa área diminuída aceleradamente em detrimento a outras culturas, sobretudo a de cereais.

Para o interior, a curto prazo, o cenário não vai mudar: “é uma projeção minha. O ramo não está em extinção, como muitos poderosos afirmando. Com políticas de valorização, certificação das carnes bovinas e aumento de remuneração do produtor, o mercado deve se reestabelecer. Mas o preço, sob meu ponto de vista, não deve diminuir. A longo prazo, com maior produção, o que podemos esperar, eu acredito, é que com mais investimentos em programas de genética, de nutrição, tecnologia para o rebanho, a qualidade vai se sobrepor à quantidade. Talvez o consumo de carne bovina, para muitos, passe a ser para ocasiões ocasionais ”.

intranet/userfiles/noticias/12dc0c5d4656967d97688264adadf609.mp3