Associação dos Usuários de Rodovias do RS crítica plano de Eduardo Leite de concessão da malha rodoviária gaúcha

associacao-dos-usuarios-de-rodovias-do-rs-critica-plano-de-eduardo-leite-de-concessao-da-malha-rodoviaria-gaucha

Fala foi realizada pelo presidente da instituição, David Vicenzo, em entrevista á Tua Rádio São Francisco

O plano de concessão das rodovias gaúchas foi apresentado pelo governador Eduardo Leite (PSDB) na semana passada, durante a entrevista coletiva pelas redes sociais. O projeto prevê o funcionamento de 10 praças de pedágio, em um futuro processo licitatório que concede 1. 131 milhas da malha rodoviária para a iniciativa privada por 30 anos. Serão três blocos de concessão, com recursos de entrega de R $ 3,9 bilhões nos cinco anos iniciais. Em 27 anos, o aporte deve ser de R $ 10, 6 bilhões.

A ideia do governo estadual é duplicar ou triplicar 45% da malha, além de construir 808, 6 milhas de acostamentos e de realizar 831 obras de melhorias em acessos. A proposta também avalia a extinção da Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR), que atualmente administra grande parte das estradas. A instituição se encerraria em dezembro deste ano, quando as empresas assumiriam os lotes rodoviários. O presidente da Associação dos Usuários de Rodovias do Rio Grande do Sul (Assurcon), David Vicenzo, critica a opção de extinguir a companhia, dizendo que o prejuízo dado pela EGR é culpa da falta de administração do Governo do Estado. (Clique AQUI e ouça a fala completa).

No projeto, a Serra Gaúcha teria a presença de alguns pedágios. Por exemplo, prevista uma praça no KM 48, na RS – 09581, na RS – 15076 , em Farroupilha, com uma tarifa entre R $ 5, 45 e 7, 18. Outra seria no KM 99, 6, também na RS – 122, em Flores da Cunha, com um preço trabalhado entre R $ 6, 00 e R $ 8, 00 Vicenzo também critica este ponto do plano. (Clique AQUI e ouça a fala completa ).

O Governo do Estado espera que o edital seja publicado até o fim de setembro deste ano. Desde sexta-feira (05), está aberta consulta pública envolvendo o tema. Aberto o prazo, a população possui 27 dias para dar opiniões sobre o projeto das concessões. Passado o período será realizado audiências públicas.