Projeto oferece oficinas ganhos e gratuitos de arte no Brasil

Projeto oferece oficinas ganhos e gratuitos de arte no Brasil

Concebida pelo Festival Especial, proposta tem tradução em libras e legendagem

No Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, 03 de dezembro, o Festival Especial, produzido pela Varsóvia Educação e Cultura, lança o projeto Oficinas Acessíveis de História da Arte no Brasil. Através de sete oficinas digitais gratuitas, pessoas com necessidades especiais possuem acesso a conteúdo relacionado à história da arte no Brasil de diferentes períodos, da arte rupestre à contemporaneidade, com dispositivos como tradução em libras, legendagem e áudio em Português.

Com atenções ao público especial, mas também disponível aos demais interessados ​​em formação artística sobre a História da Arte do Brasil, incluindo estudantes, alunos, artistas, associações, espaços culturais e comunidade em geral, os conteúdos contemplam Arte Rupestre , Arte Indígena, Arte Colonial, Arte Imperial, Arte Moderna, Arte Popular e Arte Contemporânea.

– O Festival Especial existe desde 2015, com atividades presenciais em espaços que atendem pessoas com necessidades especiais. No contexto da pandemia, a gente resolveu criar conteúdo para pessoas com deficiência – explicado o produtor cultural Robinson Cabral em entrevista ao programa Café & amp; Cultura.

O objetivo principal do projeto é contribuir para a garantia de direito de pessoas com deficiência de terem uma formação cultural e artística, em base de igualdade com as demais pessoas através da promoção da Acessibilidade Cultural. Nesse contexto, a proposta também visa a contribuição para o reconhecimento dessa comunidade como participante da vida cultural da cidade, fortalecendo o processo criativo e a conquista de artistas grupos, na perspectiva da inclusão cultural e do protagonismo das pessoas com deficiência.

A pesquisa e criação de textos, coordenação e edição – que inclui imagens de obras representativas de cada período artístico das oficinas -, é de Robinson Cabral, que é licenciado em Artes Visuais. Com o projeto, ele busca também o aprimoramento e o aperfeiçoamento do desenvolvimento estético e intelectual das pessoas com deficiência auditiva.

Com apresentação de Helenne Sanderson, graduada em Letras Libras pela UFSM, as oficinas são um recurso que se vale do ambiente virtual para fomentar experiências formativas e reafirmam a importância de estudar como tangências e cruzamentos entre períodos históricos e a arte derivada esses contextos.
– Toda e qualquer pessoa pode acessar ao material, mas é importante tratar em pé de igualdade como pessoas com deficiência. O importante é oferecer recursos para as pessoas com deficiência se sentirem melhor e integrantes da cultura do país – complementou Cabral.

Em cada segmento apresentado nas sete oficinas, busca-se o registro da cultura brasileira e suas criações mais notáveis, permitindo assim a melhor percepção do presente para os debates sobre o pensamento artístico contemporâneo.
O projeto é tem financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Caxias do Sul, com apoio cultural das Empresas Randon, Viezzer Engenharia e Focco Sistemas de Gestão.

Confira uma entrevista completa em “Ouvir Notícia”.

Oficinas Acessíveis de História da Arte:
Site: https://sites.google.com/view/historiadaartenobrasil

intranet/userfiles/noticias/44bf1b18177eef31739782f679d780a3.mp3