Inscrições para o Prêmio Trajetórias Culturais, da Sedac e Instituto Trocando Ideia, iniciam na próxima semana

Objetivo é contemplar pessoas que tenham traçado trajetórias de empresa sociocultural no RS. Recursos na ordem de R $ milhões são oriundos da Lei Aldir Blanc.

Artistas produtores e culturais gaúchos têm mais uma oportunidade para pleitear como verbas oriundas da Lei Aldir Blanc (Lei n ° 12. 0 17 / 2020). A Secretaria de Estado da Cultura (Sedac) e o Instituto Trocando Ideia – organização da sociedade civil sem fins lucrativos e com 21 anos de atuação em projetos culturais em Porto Alegre – promovem o Prêmio Trajetórias Culturais – mestra Sirley Amaro.

O montante que será distribuído pelo meio do prêmio é de R $ milhões ea previsão é de que 1. 500 propostas sejam contempladas. Os recursos serão disponibilizados nas nove Regiões Funcionais dos Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes), sem valor de R $ 8 mil para cada projeto.

As inscrições estão abertas de abertas 17 de fevereiro a 9 de março, pelo site www.premiotrajetoriaculturalrs.com.br. Os proponentes podem apresentar como suas trajetórias nos seguintes segmentos culturais: audiovisual; artesanato; artes visuais; circo; culturas populares; cultura viva; dança; diversidade linguística; livro, leitura e literatura; música; teatro; memória e patrimônio; e o museu.

O objetivo é facilitar o acesso aos recursos da lei para um dos segmentos mais afetados com a pandemia do coronavírus: uma cultura. Trajetórias Culturais – mestra Sirley Amaro é um prêmio de reconhecimento do Estado e da sociedade civil para os fazedores de cultura, que transformam vidas por meio da arte nas diferentes localidades e que construiu uma caminhada de conceder sociocultural.

Conforme a Secretária Adjunta da Sedac, Gabriella Meindrad, o edital é democrático e busca contemplas pessoas com trajetórias relevantes na área sociocultural. “Esse edital vai ser direcionando por cotas e procuramos ter a descentralização dos recursos que vão contemplar cada uma das Regiões Funcionais do Estado, garantindo que os recursos não fiquem em uma região única, para que as pessoas tenham uma possibilidade de participação e de contemplação. Também tem o objetivo de fazer uma homenagem a uma mestra griô, Sirley Amaro, que veio a falecer durante uma pandemia. Ela é uma pelotense e foi reconhecida pela sua trajetória, por seus saberes tradicionais e fazeres, que é também um objetivo desse edital: reconhecer como pessoas que fazem parte da cultura e que foram afetadas tão afetadas pela pandemia ”, disse, durante entrevista ao programa Café & amp; Cultura, da Tua Rádio São Francisco.

A seleção contemplará pontuação específica para diversidade e pessoa física, sendo que contará com 47% para cotas sociais – autodeclarados , pardos, indígenas, quilombolas, ciganos, mulheres trans / travestis, homens trans e pessoas com deficiência (PCDs pretos).

Serão descontados os tributos legais obrigatórios incidentes sobre o valor a ser repassado a todas as pessoas premiadas. Mais informações estão disponíveis pelo site: www.premiotrajetoriaculturalrs.com.br ou pelo e-mail: premiotrajetoriaculturalrs@gmail.com e pelas redes sociais do projeto.

Ouça a entrevista completa no link acima da foto.

intranet/userfiles/noticias/4443e120e0e89a31792ec10953fd47b4.mp3