2 milhões de gaúchos já usam um CNH digital

2 milhões de gaúchos já usam um CNH digital

40% do total de 5,1 milhões de condutores utilizam o documento no celular

O O Rio Grande do Sul atingiu a marca de 2 milhões de Carteiras Nacionais de Habilitação geradas no aplicativo Carteira Digital de Trânsito. O estado é o terceiro da federação com o maior número de documentos digitais, ficando atrás apenas de São Paulo, que já tem 6,5 milhões, e Minas Gerais, 2,2 milhões. Em todo Brasil, já são mais de 21, 7 milhões de CNH-e emitidas.

O número de gaúchos que optaram por utilizar um CNH também no formato digital representa cerca de 40% do total de 5,1 milhões de condutores. A CNH-e é uma versão eletrônica da carteira de motorista, que tem o mesmo valor jurídico do documento impresso, e seu uso é opcional. Uma de suas grandes vantagens é que ela pode ser baixada antes mesmo de chegar o documento impresso quando se habilitar ou renovar a CNH. Para isso, o condutor deve informar, quando da realização do serviço de habilitação, o número de telefone celular e endereço de e-mail. A CNH digital traz, ainda, informações que não constam no documento de papel, como a validade do exame toxicológico e os cursos especializados.

Além de celulares, o documento digital pode ser gerado em tablets e outros dispositivos móveis, a partir do aplicativo gratuito Carteira Digital de Trânsito, disponibilizado pelo Serpro. Antes de baixar o aplicativo no Google Play Store ou na App Store, o condutor deve ter cadastro no Portal de Serviços do Denatran.

Outro pré-requisito é ter um documento impresso no novo modelo, que contém o QR Code (código escaneável em aparelhos eletrônicos) no verso. Todos com CNH emitido a partir de 02 de maio de 2017 já possuem esse modelo. Se o conhecimento ainda possui o documento antigo, sem o QR Code, pode esperar a próxima renovação ou pedir uma segunda via do documento em qualquer Centro de Formação de Condutores.

O DetranRS, no entanto, faz um alerta para aqueles que ativam por utilizar o documento digital. Embora a CNH-e seja acessível off-line, sem necessidade de conexão wi-fi ou dados móveis habilitados, é preciso estar atento para bateria e o correto funcionamento do aparelho. Para efeitos de fiscalização, se o equipamento descarregado ou não estiver funcionando, será considerado que o condutor não está portando o documento. Ele será autuado com base no artigo 232 (conduzir sem os documentos de porte obrigatório), uma infração leve que prevê multa de R $ 88, 38, três pontos na CNH e retenção do veículo até a apresentação do documento.